PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
7 de Maio de 2008 | Notícias | Categoria | Assessoria de Imprensa

30 anos da Greve da Scania

Lula estará no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC nesta segunda-feira (12)

Presidente participará de evento promovido pelo Sindicato para lembrar as três décadas da greve de trabalhadores que mudou os rumos do sindicalismo brasileiro

Durante todo o dia, palestras, debates e a exibição do filme "Linha de Montagem" vãofalar da greve da Scania, em 1978, em evento na sede do Sindicato, em São Bernardo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participará do evento em comemoração aos 30 anos da greve da Scania, no próximo dia 12 (segunda-feira), no 3º andar da sede do Sindicato. O ministro da Previdência Social, Luiz Marinho, atuais e ex-dirigentes, estudiosos do movimento sindical e personagens históricos da paralisação que mudou os rumos do sindicalismo no Brasil também integrarão a programação (leia detalhes abaixo), que terá seminário, mesas de debates e a exibição do documentário Linha de Montagem, do diretor Renato Tapajós, que fechará o evento.

Novo sindicalismo é como ficou conhecida a ação sindical que surgiu com a greve dos trabalhadores na Scania, em 1978. O movimento desencadeou uma onda que culminou com as grandes paralisações dos metalúrgicos em 1979 e 1980. Essas greves contribuíram com a luta pela redemocratização do Brasil.

"Esse episódio lançou a base para criar o Brasil de agora", afirma Sérgio Nobre, diretor de organização e novo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (para o próximo mandato de três anos). Ele lembra que a partir do movimento de 1978i nasceram o Partido dos Trabalhadores e a CUT, alem das alianças entre os movimentos sociais e sindical, que desencadearam as Diretas Já!, as lutas pelos avanços sociais na Constituição e possibilitaram a eleição de Lula, o primeiro presidente operário do País.

ATENÇÃO: CREDENCIAMENTO DA IMPRENSA 

Por conta da presença do presidente Lula na última parte do evento (à noite), os profissionais da mídia serão credenciados de duas formas:

  1.  Por email enviado às redações pela Imprensa do Planalto, informações pelo site  http://www.imprensa.planalto.gov.br, que distribui as credenciais.

  2. Pelo Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC  www.credenciamento@smabc.org.br e/ou assimp@smabc.org.br (para lista de presenaça - credenciamento obrigatório para ter acesso ao prédio-sede do sindicato e ao evento)

PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO EVENTO

9h - "Trabalho Decente", "30 anos do novo sindicalismo, a história de uma greve ", "Judicialização e criminalização do movimento sindical no Brasil"

  • Laís Abramo, socióloga, e diretora do escritório da OIT (Organização Internacional do Trabalho) no Brasil e especialista para América Latina em temas de gênero e trabalho falará sobre "Trabalho Decente" e fará um balanço dos 30 anos da greve da Scania e o atual momento do movimento sindical.
  • Paulo Vanucchi, ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos do governo federal, vai abordar o "Movimento Sindical nos dias atuais - judicialização e criminalização 
  • Djalma Bom, ex-deputado federal e ex-dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, E tesoureiro do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC à época da greve da Scania, falará sobre a história da paralisação de 1978

17h30 às 18h - Mesa debate o filme "Linha de Montagem"

Composição da mesa

  • Renato Tapajós, diretor do filme, que foi restaurado e será relançado nos circuito comercial
  • Sérgio Nobre, diretor de Organização do Sindicato dos Metalúrgicos, e presidente eleito para o próximo mandato de três anos
  • Gilson Menezes, ex-dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, umas das principais lideranças da greve da Scania em 1978

18h às 19h30 - Exibição do filme "Linha de Montagem"

O filme de Renato Tapajós, documentário sobre as greves dos metalúrgicos de 1979 e de 1980, foi restaurado depois de mais de 25 anos e será relançado durante o evento.

19h30 - Mesa debate sobre os 30 anos da greve da Scania

Composição da mesa:

  • José Lopez Feijóo, atual presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (passa o cargo em 19 de julho)
  • Luiz Marinho, ministro da Previdência Social, ex-ministro do Trabalho e ex-presidente do Sindicato e da CUT (Central Única dos Trabalhadores).
  • Presidente Luiz Inácio Lula da Silva

A HISTÓRIA DE UMA GREVE

O movimento na Scania em 1978 foi a primeira paralisação de massa após as greves operárias de Osasco, na Grande São Paulo, e Contagem, em Minas Gerais, em 1968. Com as greves de 1979 no ABC, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema e seu presidente na época, Luiz Inácio Lula da Silva, ganharam projeção nacional. O enfrentamento com a ditadura militar colocou em pauta a luta pela democracia, incluindo o direito à greve.

A greve na Scania virou o estopim da mobilização de funcionários de outras empresas, que também paralisaram a produção. Reivindicava-se mais do que melhores salários. O movimento ganhou contornos políticos de contestação à ordem estabelecida reforçando a exigência das esquerdas por abertura política no País, que era governado pelo general-presidente Ernesto Geisel.

LULA E 1978: "FOI FANTÁSTICO"

À frente das greves que começaram em 1978 estava Luiz Inácio Lula da Silva, então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema, que ainda não era o político experimentado, mas já possuía um discurso articulado. Torneiro mecânico, Lula tinha uma bagagem de seis anos no movimento sindical quando tomou para si a responsabilidade de liderar a greve dos metalúrgicos.

(...) "Em 78, o que a gente queria provar para a categoria? A gente queria provar que, ou a gente fazia alguma coisa diferente ou, se a gente continuasse fazendo as mesmas coisas, o que aconteceria? O presidente da República decretava um percentual de reajuste de cada mês. Todo mês o Geisel decretava reajuste para as categorias, por exemplo, as que têm data-base em abril: tantos %. Então, a gente queria mostrar para os trabalhadores: "Olha, se a gente fizer assembléia com 50 mil pessoas ou fizer com um, tem o mesmo sentido. Por que? Porque é o presidente que decreta. Então, nós vamos provar isso. Nós vamos fazer uma campanha onde não vai ter pauta de reivindicação" (...) "O ano de 1978 foi fantástico, teve greve o ano inteiro. Todo dia parava uma fábrica, toda semana parava outra fábrica (...).  Extraído de depoimento ao site ABC de Luta, do SMABC.

1978 E O SINDICATO DOS METALÚRGICOS DO ABC

Em maio de 1978, os metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema surpreendem toda a sociedade brasileira com o movimento grevista quando os trabalhadores da empresa Scania, após a campanha salarial, no dia 12 de maio, ao receberem seus holerites com o reajuste fixado pelo governo, decidem paralisar as máquinas e cruzar os braços. Esse gesto rapidamente se espalha por todo o ABC e, em seguida, para as empresas de São Paulo e de outras cidades do Estado.

No dia 11 de dezembro de 1978, dirigentes de diferentes sindicatos realizam, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, a primeira reunião em que se discutiu a idéia de os trabalhadores constituírem um partido político, o que se traduziria na criação do Partido dos Trabalhadores

PORQUE 12 DE MAIO

No dia 12 de maio de 1978, uma sexta-feira, 3 mil funcionários da Scania de São Bernardo entraram em greve. A manifestação permaneceu até a segunda-feira, 15 de maio.

Os trabalhadores reivindicavam aumento salarial e melhores condições de trabalho. Segundo Gilson Menezes, um dos líderes da greve da Scania de 1978, na sexta-feira (12 de maio), 7h, os metalúrgicos entraram na fábrica, vestiram os macacões, foram para o pátio, mas não ligaram as máquinas. Ficaram de braços cruzados até conseguirem um acordo com a diretoria da montadora.

Menezes afirmou que a preparação da greve da Scania começou três dias antes da paralisação acontecer. "Estávamos em um período em que o sindicato estava muito ativo. Nós queríamos tanto melhorias dos salários e das condições de trabalho como também liberdade", contou o ex-diretor do sindicato. A lei 4330/64, instaurada durante o período de ditadura, proibia greves no país. Os sindicatos não podiam fazer reunião. Não era permitido nem falar a palavra greve.

FICHA TÉCNICA DO EVENTO

O que: Evento em comemoração dos 30 anos da greve da Scania-

A que horas: a partir das 9h (fala do presidente Lula prevista para depois das 19h)

Onde: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, 3º andar, rua João Basso, 231, Centro, SBC, 4128-4253, 4128-4200

Capacidade do auditório do Sindicato - 700 pessoas sentadas

Duração do filme Linha de Montagem - 90 minutos

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: