PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
2 de Abril de 2009 | Notícias | Saúde

Linha da vida

O tempo parecia ter sido interrompido. A linha também parecia parada, como a sua vida.
Era só o trabalhar do corpo que o lembrava estar vivo.
A mente aturdida não conseguia distinguir até onde aquilo era real ou pesadelo. Já não se lembrava do que tinha feito e nem do que tinha ainda a fazer. Simplesmente fazia, automaticamente.
O transe foi interrompido pelo piscar ritmado das luzes vermelhas e aí pode perceber o som diminuindo e as pessoas a sua volta começando a falar. Estranhou o timbre jovem das vozes, olhou para os lados mas não viu nenhum dos seus velhos companheiros.
Tentou continuar seu trabalho, mas tudo já estava feito.
A linha parada significava a pausa para descanso. Sete minutos e trinta e quatro segundos. Pensou no que significavam trinta e quatro segundos e quem tinha planejado aquilo.
Sentiu seus braços formigando numa espécie de anestesia salvadora a mascarar uma dor que estava ali. Mas não a sentia. Não teve forças para dar mais que alguns passos e sentou-se ali mesmo a olhar o chão.
Os poucos meses que se passaram entre a aposentadoria e aquele trabalho temporário na linha tinham sido monótonos. Em casa se sentia um estorvo, na rua todos andavam apressados, cada um no seu mundo particular. Sentia um imenso vazio e isso o fez alegrar-se quando soube que a empresa contrataria os aposentados, temporariamente.
Agora estava ali, na mesma área em que trabalhava seu filho. Aquele garoto cheio de vida por quem lutou tanto para dar uma vida melhor para que estudasse, fizesse uma universidade, agora estava ali. Era seu filho e seu companheiro.
Procurando por ele entre as centenas de jovens viu a si mesmo em cada um deles.
Lembrou-se do jovem que foi. O caminho do interior para a cidade grande seguindo a linha da vida atrás de uma sorte melhor. Lembrou do encanto com seu emprego. O trabalho ruim da fundição era o mesmo que realizava o sonho tão acalentado no manejar áspero da enxada.
Pensou no seu garoto que devia estar ali por perto, seguindo sua linha da vida que era também a linha da produção. Lembrou-se dos sonhos do filho amado. Sonhos tão diferentes dos seus, e entendeu o significado daquela falta de brilho no olhar.
O trabalho ruim já lhe roubara os sonhos, deixando, em troca, angústia e resignação.

Departamento de Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: