PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
16 de Abril de 2009 | Notícias | Categoria | Assessoria de Imprensa

Sindicato dos Metalúrgicos do ABC negocia PDV e licença remunerada com Mercedes-Benz

PDV e licença remunerada estão entre os mecanismos legais de preservação de emprego previstos, aceitos e negociados entre Sindicato e empresas para evitar demissões, ressalta o coordenador do CSE (Comitê Sindical de Empresa) da Mercedes, Aroaldo Oliveira da Silva.

 

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informa que o PDV (Plano de Demissão Voluntária) e a licença remunerada adotados esta semana pela unidade São Bernardo da Mercedes-Benz foram negociados entre empresa e direção do sindicato.


PDV e licença remunerada estão entre os mecanismos legais de preservação de emprego previstos, aceitos e negociados entre Sindicato e empresas para evitar demissões, de acordo com o coordenador do CSE (Comitê Sindical de Empresa) da Mercedes, Aroaldo Oliveira da Silva.


O acordo que reduziu o IPI do setor automotivo com contrapartida de garantia de emprego também permite a abertura de programas de demissão voluntária.


Na Mercedes, o PDV vale para todos os 12 mil funcionários de São Bernardo. No último dia 13, foi aberto para os horistas, mas também se estenderá aos mensalistas e será encerrado em meados de maio. Não há meta a ser atingida, segundo informou a empresa ao Sindicato.


 O programa prevê pagamento de quatro salários adicionais e três meses de plano médico, além de outros benefícios previstos em lei. Em março, 285 aposentados aderiram a PDV aberto pela Mercedes.


LICENÇA - 1.200 trabalhadores da produção entram nesta sexta-feira (18) em licença remunerada até 3 de maio. Esta medida foi negociada pelo Sindicato como alternativa para diminuir os impactos no banco de horas dos trabalhadores.


A Mercedes alega que as medidas são necessárias por conta da redução da demanda. O Sindicato reconhece que a fábrica sofre impacto da queda de produção e venda de ônibus e caminhões e, principalmente, das exportações, problema que atinge também as áreas de eixo, câmbio e motor, agregados que a fábrica exporta.


As exportações de caminhões caíram 62,8% em todo o Brasil, entre janeiro e março deste ano, e as de ônibus 39,8%, segundo levantamento da Subseção Dieese do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC com base em dados divulgados pela Anfavea (sindicato das montadoras).

 

Assessoria de Imprensa

Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
17 de abril de 2009
 
 
 
 

 

 

 

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: