PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
4 de Setembro de 2009 | Notícias | Saúde

Saúde-mental: Pesquisa nacional vai medir o estresse no trabalho

O trabalhador agregou mais tarefas e hoje cuida da qualidade, manutenção e limpeza. A pausa encurtou, a carga de trabalho aumentou, o tempo ficou menor e a tensão cresceu

Pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública preparam pesquisa entre os trabalhadores do País para entender a relação entre o trabalho e doenças crônicas como depressão, hipertensão e transtornos mentais.


Levantamento nacional do Sesi, com 355 mil trabalhadores, mostrou que 40% apresentavam problemas de saúde, com um aumento considerável nesses tipos de doenças.


Para a medicina, tradicionalmente, doenças como hipertensão arterial estão ligadas aos hábitos desenvolvidos conforme o estilo de vida de cada um e resultam em formas diferentes de alimentação, falta de atividade física e consumo de tabaco e álcool, entre outras.


"Eles são importantes e influenciam. Mas, depois da reestruturação produtiva, não tivemos estudos sobre saúde do trabalhador, apenas pesquisas econômicas e sociológicas", disse Eduardo Stotzos, pesquisador da Escola Nacional, vinculada à Fundação Oswaldo Cruz, no Rio.


Ele comentou que a pesquisa mostrará, por exemplo, a relação do estresse no trabalho com a hipertensão arterial. "Nas últimas décadas aconteceram várias inovações organizacionais na produção, introduzidas inclusive na indústria, com a redução de estoque e número mínimo de trabalhadores, que tornaram o processo produtivo mais tenso", comentou o pesquisador.


O trabalhador agregou mais tarefas e hoje cuida da qualidade, manutenção e limpeza. A pausa encurtou, a carga de trabalho aumentou, o tempo ficou menor e a tensão cresceu. Antes, o trabalhador ocupava um posto físico, hoje ele é responsável por três ou quatro máquinas.


"O estresse depende das pressões psicológicas dentro da empresa e também do nível de autonomia que o trabalhador tem sobre a organização do trabalho, que é mínimo", afirmou Stotzos.


A pesquisa vai mostrar o quanto as mudanças nos processos de trabalho contribuem para o processo de adoecimento do trabalhador.


"Temos duas constatações. Uma, que o trabalhador está muito doente e, outra, que a competição entre os trabalhadores faz mal à saúde", resume o pesquisador.


Da Redação
00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: