PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
18 de Junho de 2010 | Notícias | Categoria | Jurídico

Para recorrer ao TST, empresa terá de depositar metade da sentença

Está na mesa do presidente Lula desde segunda-feira, à espera de sanção, projeto de lei complementar à nova sistemática para a interposição de Agravos de Instrumento.

Aprovado pelo Senado, o texto determina que a parte interessada em protocolar um agravo de instrumento em ações trabalhistas tem que depositar 50% do valor da causa em juízo.

Atualmente, o recurso é usado sem qualquer ônus, o que atrasa o pagamento das decisões favoráveis ou prejudiciais ao trabalhador.

Entre os principais prejuízos causados pelos sucessivos agravos interpostos na Justiça trabalhista estão o acúmulo de processos nos tribunais e o retardo do pagamento de direitos trabalhistas.

Os números do TST mostram que, só em 2008, houve aumento de 208% na utilização dos agravos de instrumento. Naquele ano, segundo dados do tribunal, 95% dos agravos julgados acabaram "desprovidos por não terem apresentado condições mínimas de prosseguimento". Em 2009, foram 142.650 agravos no TST. Em 2010, até abril, houve 26 mil.

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Milton de Moura França, esclarece que, das centenas de milhares de agravos de instrumento interpostos anualmente no TST, 95% são desprovidos por não apresentarem condições mínimas de prosseguimento.

"A interposição do agravo de instrumento surge quando o recurso que pretende alterar decisão condenatória nos títulos trabalhistas em julgamento tem seu seguimento negado. É o empregador, portanto, que, diante da obrigação gerada por esse reconhecimento, recorre a esse mecanismo, na maioria das vezes com intuito meramente protelatório", esclarece o juiz.

O presidente do TST acredita que a medida também contribuirá para a celeridade no processo trabalhista. "Essa é uma demanda da sociedade brasileira absolutamente justificada. Concordamos plenamente com o senso comum quando surge a indagação: de que adianta para o trabalhador ganhar a ação e não receber o que é de direito?"

Ferramenta judicial
O agravo é um recurso usado pelos advogados das partes para questionar decisões judiciais de tribunais regionais do trabalho, com a tentativa de levar o caso para julgamento no TST. A medida é cabível para evitar possível lesão grave e de difícil reparação e "casos de inadmissão de apelação". O agravo deve ser sempre protocolado na instância superior, que deve analisar se o processo, trancado no TRT, será destrancado e, consequentemente, julgado pelo tribunal superior.

Da redação com informações do TST

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: