PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
19 de Julho de 2010 | Notícias | Saúde

Pesquisa revela que os homens não procuram serviços de saúde

O levantamento foi utilizado como base para a política nacional de atenção à saúde do homem

Um levantamento feito com sociedades médicas brasileiras, antropólogos, psicólogos, membros do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), cerca de 250 especialistas, demonstrou que os homens não costumam ir ao médico por conta de três fatores: culturais, institucionais e médicos.

Essa pesquisa serviu como base para a política nacional de atenção à saúde do homem, implementada no Sistema Único de Saúde (SUS) e visa prevenir e melhorar o cuidado do homem com a sua saúde.

Baldur Schubert, coordenador da área técnica de saúde do homem do Ministério da Saúde, cita que entre as barreiras culturais está o conceito de masculinidade vigente na sociedade, no qual o homem se julga imune às doenças. "Eles não reconhecem a doença como algo inerente à condição do homem, por isso acham que os serviços de saúde são destinados às mulheres, crianças e idosos", explica o médico.

Em relação as barreiras institucionais, o levantamento mostrou que os homens não são ouvidos adequadamente nas unidades de saúde, então acabam por não frequentar esse locais. O fato de grande parte dos serviços serem feitos por profissionais mulheres também impede que eles se sintam à vontade para relatar problemas na vida sexual, como a impotência. Outra dificuldade é que os homens não cuidam da sua profilaxia.

As barreiras médicas são a falta de postura dos profissionais de saúde e as consultas com duração muito curta. "Os médicos precisam dar mais atenção nas consultas para estabelecer uma relação médico-paciente ótima", alerta Schubert.

Dentre as situações que mais matam o homem, até os 40 anos, estão as causas externas (violência, agressões e acidentes de trânsito/trabalho). Depois dos 40 anos, em primeiro lugar estão as doenças do coração, e em segundo os cânceres, principalmente do aparelho respiratório e da próstata.

A mudança desse quadro vai depender da ajuda das empresas e outras organizações em que o homem participa, na criação de programas que estimulem seus funcionários a visitarem profissionais de saúde. Outra solução seria a inserção do cuidado com o homem nas equipes de Saúde da Família, que já foi implementado.

Segundo dados da publicação Saúde Brasil 2007, os homens representam quase 60% das mortes no país. Das 1.003.350 mortes ocorridas em 2005, 582.311 foram de pessoas do sexo masculino - 57,8% do total. Assim, a cada três pessoas que morrem, duas são homens, aproximadamente.

Com rede Brasil Atual

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: