PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
26 de Novembro de 2013 | Notícias

Votação para Prêmio CUT Democracia e Liberdade Sempre vai até dia 1º

Prêmio homenageia pessoas e instituições comprometidas com luta pela plena democracia. Para metalúrgicos, há uma candidatura emblemática: o jornalista Júlio de Grammont, que dedicou a vida à defesa dos trabalhadores.

Termina neste domingo o prazo para votação do 2º Prêmio CUT Democracia e Liberdade Sempre. A edição 2013 tem como slogan “Nada Vai nos Calar”, em referência à luta pela democratização da comunicação no Brasil. A votação é feita pela internet, no site da premiação.

O Prêmio CUT Democracia e Liberdade Sempre foi instituído com o objetivo de manter viva a memória e divulgar a importância de episódios da história recente de nosso País à luz da luta por democracia e liberdade.

Dividido em cinco categorias, o Prêmio homenageia pessoas e instituições que se destacaram ou se destacam nas lutas por democracia, cidadania e direitos humanos; democracia e direitos dos trabalhadores e trabalhadoras; democracia e justiça no campo; democratização do Brasil e liberdade de expressão, além de premiar instituição de destaque na luta por democracia e liberdade no Brasil e no mundo. Em cada categoria, há três candidaturas. As que obtiverem as maiores votações por meio da internet serão as vencedoras.

A cerimônia de premiação será no próximo dia 9, em São Paulo (SP).

Candidatura emblemática

Todos os (as) candidatos (as) tiveram ou têm uma trajetória de compromisso com a democracia e a liberdade em nosso país. Mas, para os metalúrgicos há uma candidatura emblemática na edição deste ano: a do jornalista Júlio de Grammont, um dos profissionais mais aguerridos da imprensa sindical brasileira, que concorre na categoria Personalidade de Destaque na Luta por Democracia, Cidadania e Direitos Humanos. 

Julinho, como era conhecido, foi o responsável pelo primeiro jornal diário do movimento sindical: a Tribuna Metalúrgica, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. 
 
Ele trabalhava na imprensa do Sindicato, que tinha Lula era o presidente, e esteve à frente da mudança de periodicidade daquela publicação, quando eclodiu a primeira greve – na Scania – que mudou os rumos do sindicalismo brasileiro, em maio de 1978.

Julinho atendeu ao pedido dos trabalhadores naquela empresa para que as informações sobre a greve fossem disseminadas a partir do olhar da categoria, uma vez que as notícias divulgadas pela imprensa tradicional eram distorcidas e manipuladas. Foi aí que o chamado “Suplemento da Tribuna Metalúrgica”, que era semanal, passou a ser diário.

Criador da estrela do PT

Ele também conduziu o ABCD Jornal, que acabou sendo um veículo fundamental para a divulgação das greves nos momentos em que o Sindicato ficou sob intervenção da ditadura militar e, por tabela, a Tribuna Metalúrgica era censurada. Foi militante do grupo Ala Vermelha e chegou a ficar alguns meses preso durante a ditadura militar.

Foi um dos fundadores do PT e o criador do símbolo do partido, a estrela vermelha. Na época, ele justificou a proposta lembrando que a estrela era símbolo da Juventude Socialista e que o Partido dos Trabalahdores era a novidade/juventude no cenário político brasileiro.

Grammont teve passagens por veículos da grande imprensa nos anos 1970, e atuou também na imprensa do Sindicato dos Bancários de São Paulo. Esteve à frente da assessoria de comunicação da Prefeitura de Diadema, entre 1991 e 1995, quando retornou para o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Em 1998, licenciou-se daquela entidade, para ser o assessor de imprensa da campanha de Lula à presidência da República.

No dia 26 de novembro desse mesmo ano, poucos dias depois de reassumir sua função no Sindicato, Júlio de Grammont morreu num acidente de carro.  Deixou como exemplo sua ética, seu profissionalismo e seu compromisso com a classe trabalhadora.

Desagravo

A cerimônia do Prêmio será no TUCA (Teatro da Universidade Católica) e na ocasião a CUT fará um ato de desagravo aos companheiros José Genoino, Zé Dirceu e Delúbio Soares. “Eles foram presos de forma ilegal e arbitrária, em decorrência do julgamento de exceção da AP 470, conduzido de forma explicitamente política e midiática”, avalia a direção da Central.

Serviço:

2º Prêmio CUT Democracia e Liberdade Sempre
9 de dezembro de 2013 - 19h00
TUCA (Teatro da Universidade Católica)
Rua Monte Alegre, 1.024 – Perdizes – São Paulo/SP

Da CNM/CUT/CUT Nacional

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: