PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
14 de Abril de 2014 | Notícias | Saúde

Em um mês, São Paulo supera meta de vacinação contra HPV

A campanha entrou em sua segunda etapa, quando a vacina será oferecida também em postos de saúde

Em todo país, pelo menos 3,4 milhões de meninas de 11 a 13 anos já foram vacinadas, o que representa 83% do total estipulado pelo Ministério da Saúde

No primeiro mês de vacinação contra o vírus do HPV, o estado de São Paulo já imunizou 816.238 meninas de 11 a 13 anos, superando a meta inicial de 808.318 – o equivalente a 80% das jovens dessa faixa etária. Em todo o país, pelo menos 3,4 milhões de meninas foram imunizadas contra o vírus até a última sexta-feira (11). O total representa 83% da meta nacional, de vacinar 4,1 milhões de meninas até o final do ano.

Desde sexta-feira, a campanha entrou na segunda etapa, quando a vacina será oferecida também nos postos de saúde, até o final do ano. “Este quantitativo de crianças vacinadas, em apenas um mês, é resultado do esforço de estados e municípios que seguiram a recomendação do Ministério e realizaram a mobilização nas escolas”, ressaltou o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

A vacina, importante para a prevenção do câncer do colo do útero, passou a ser oferecida no Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas de 11 a 13 anos em 10 de março. O cronograma é composto por três doses, sendo que a segunda é aplicada seis meses depois da primeira e, a terceira, de reforço, cinco anos após a primeira dose. Em 2015, começará a vacinação de meninas de 9 a 11 anos e, em 2016, começam de meninas que completam 9 anos.

Para o primeiro ano, o Ministério da Saúde adquiriu 15 milhões de doses. A vacina utilizada é a quadrivalente, que confere proteção contra quatro subtipos de HPV (6, 11, 16 e 18), com eficácia de 98%. Os subtipos 16 e 18 são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer de colo do útero em todo o mundo.

A vacinação faz parte de uma série de cuidados que a mulher deve adotar para prevenir o HPV e o câncer do colo do útero. Ela não substitui a realização do exame Papanicolau nem o uso do preservativo nas relações sexuais. O Ministério da Saúde orienta que mulheres na faixa etária dos 25 aos 64 anos façam o exame preventivo a cada três anos após dois exames anuais consecutivos negativos. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) prevê o surgimento de 15 mil novos casos e cerca de 4,8 mil óbitos em decorrência da doença apenas neste ano.

A vacina utilizada no Brasil é recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e usada na saúde pública de 51 países. Desde o lançamento da vacina, em 2006, mais de 170 milhões de doses foram aplicadas no mundo.

Da Rede Brasil Atual

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: