PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
20 de Maio de 2014 | Notícias | Movimento sindical

Congresso da CSI deverá eleger um brasileiro para a presidência

João Felício é nome de consenso entre sindicalistas dos diversos continentes para presidir a maior central global

Ex-presidente da CUT, João Felício teve apoio das demais centrais

O terceiro congresso da Confederação Sindical Internacional (CSI), que começou no último domingo (18) em Berlim e vai até sexta-feira (23), deve ratificar a eleição do brasileiro João Felício para o comando da entidade. Será a primeira vez que um sindicalista do continente americano vai presidir a maior central global, com 325 filiados (incluindo CUT, Força Sindical, UGT e CNPL, confederação dos profissionais liberais) em 161 países e 176 milhões de trabalhadores na base.

Mesmo no período pós-guerra, quando o movimento sindical se reorganizou e, sob influência da social-democracia, criou em 1948 a Confederação Internacional das Organizações Sindicais Livres (Ciosl), o comando se originava sempre dos países de economias desenvolvidas. A CSI se originou da união entre a Ciosl e a democrata-cristã Confederação Mundial do Trabalho (CMT), em 2006. Fundada em 1945, a Federação Sindical Mundial (FSM), de orientação socialista, tem entre os filiados as brasileiras CTB e CGTB.

Para o congresso de Berlim, são esperados mais de 1.500 delegados de 161 países. Na abertura, estão previstos discursos do chanceler alemão, Frank-Walter Steinmeier, da administradora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), e do atual presidente da CSI, o alemão Michael Sommer.

As filiadas brasileiras à central se uniram em torno da candidatura de João Felício, que também teve o apoio das centrais das Américas, além de entidades africanas, asiáticas e europeias. A indicação foi feita em abril. Na sexta-feira, o congresso da CSI elege o secretário-geral e o conselho, que, por sua vez, escolhe o presidente.

O evento traz como tema "reforçar o poder dos trabalhadores" em um momento de ofensiva mundial contra direitos sociais, como constata o próprio Felício. "Eles (empresários) se unificam muito mais, são mais unidos na exploração, têm recursos para isso, se expandem com facilidade e têm uma coisa que nós não temos: o apoio da maioria dos governos."

Segundo a CSI, está prevista uma votação pública durante o congresso para eleger "o pior chefe do mundo".

Da Rede Brasil Atual

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: