PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
24 de Julho de 2014 | Notícias | Geral

IDH: ministra diz que dados atualizados mostrariam avanço maior

Tereza Campello acredita que país passaria a ter 0,764 de índice caso fossem levados em conta dados mais recentes

Governo calcula que utilização, pelo Pnud, de informações mais recentes do IBGE colocaria o país 12 posições à frente no ranking do desenvolvimento humano. Elogios da agência da ONU agradam ministros

Ao analisar nesta quarta-feira (24) o relatório sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), da ONU, a ministra de Desenvolvimento Social, Tereza Campello, destacou que o bom resultado do país apresentado no trabalho é reflexo das políticas sociais integradas implementadas nos últimos anos. O Brasil aparece com nota 0,744, dentro da faixa de "desenvolvimento humano elevado" – em uma escala de 0 a 1, sendo que 1 é o melhor índice possível.

A ministra ressaltou, no entanto, que tais índices poderiam ser bem melhores se tivessem sido levadas em conta estatísticas recentes do país – uma vez a base de dados foi 2010 a 2012. Caso tivessem sido levados em conta os levantamentos mais novos, a ministra acredita que o Brasil passaria a ter 0,764 de índice, o que o colocaria na 67ª colocação, doze à frente da atual.

Conforme o cálculo apresentado pelo governo, em dois dos três critérios usados pelo Pnud para medir o IDH há diferenças estatísticas. Em relação à esperança de vida ao nascer, o dado usado pelo órgão da ONU foi 73,4 anos. O mais atual seria 74,8 anos.

Em relação à expectativa de anos de estudos e à média de anos de estudo da população adulta, foram considerados 15,2 anos e 7,2 anos, respectivamente. As informações atualizadas seriam 16,3 anos e 7,6 anos, respectivamente. Em relação à renda nacional bruta per capita, foram mantidos os US$ 14.275.

De acordo com Tereza Campello, para obter um comparativo com todos os países avaliados, o Pnud levou em consideração dados do IBGE referentes a quatro e dois anos atrás, mas o instituto já possui estatísticas mais atuais sobre os mesmos índices pesquisados que mostram desempenho melhores. Isso aconteceu, segundo ela, porque enquanto a apuração destes dados é mais recente no Brasil, não ocorreu o mesmo em vários países, e o estudo precisava comparar todos durante o mesmo período.

Intitulado “Progresso Humano Sustentável: reduzindo vulnerabilidades e construindo resiliência”, o relatório do Pnud mostra que, de 1980 até 2013, o IDH brasileiro aumentou em 36,4%. Além disso, o país foi um dos que mais melhorou seu desempenho no índice, que associa o desenvolvimento à redução da desigualdade e políticas integradas voltadas para melhoria da qualidade de vida e aumento da expectativa de vida da população, dentre outros fatores.

Foram destacados no trabalho, em relação ao Brasil, políticas de valorização do salário mínimo, iniciativas voltadas para o aumento do emprego formal em conjunto com o combate à informalidade e os programas de transferência de renda condicionados à saúde e à educação, como é o caso do Bolsa Família.

O grande número de citações ao Brasil e os elogios às políticas de proteção social, reiterados pela agência das Nações Unidas, foram vistos pela ministra como os principais pontos positivos na divulgação do IDH. "Estamos muito orgulhosos deste reconhecimento internacional."

Desigualdade continua

Na avaliação do representante do Pnud no Brasil, Jorge Chediek, apesar do bom resultado de seus programas, o Brasil ainda perde muito com a desigualdade social. E, por essa razão, segundo ele, precisa criar uma agenda de desenvolvimento humano mais abrangente de forma a levar em conta a preocupação de não vir a ser observada nos próximos anos situação de retrocesso social. “Não basta só eliminar a pobreza, mas fazer com que o pessoal não caia novamente na pobreza. O passivo histórico do país é enorme”, afirmou o técnico.

Desde 1980, a expectativa de vida do brasileiro aumentou 11,2 anos. A renda foi ampliada em 56% e a escolaridade média da população subiu de 2,6 anos para 7,2 anos na escola – um índice que o Executivo trabalha para que aumente.

Em relação à desigualdade, a ministra de Desenvolvimento Social justificou que os indicadores apresentados são importantes para a continuação das atuais políticas públicas, mas frisou que a questão da desigualdade não pode ser resolvida em uma década. "Temos 500 anos de desigualdade no Brasil. Não se resolve isso em dez anos”, colocou.

Mais inclusão

O ministro da Educação, Henrique Paim, afirmou que a melhoria do índice educacional mostrou o aumento no processo de inclusão de pessoas que estudam no país, o que é avaliado como uma grande evolução, mas reconhece que é preciso haver melhora. “Foi verificado esforço no sentido de inclusão e frequência escolar por parte dos alunos, demonstrando que o Brasil avançou bastante na área. Estamos à frente, em expectativa de estudo, de países como o Chile, que é usado como exemplo por várias pessoas”, ressaltou.

Já o ministro da Saúde, Arthur Chioro, chamou a atenção para o indicador relacionado à expectativa de vida, cujos dados foram citados por ele como “ganhos essenciais para os brasileiros”. “Diminuímos consideravelmente a mortalidade infantil de 1980 até agora e também apresentamos reduções importantes em doenças crônicas não transmissíveis, como as de aparelho cardiovascular, câncer e doenças respiratórias. Também notamos um declínio nos homicídios e acidentes de trânsito”, ressaltou.

O ministro citou ainda dentre os outros dados que colaboraram para o aumento na expectativa de vida dos brasileiros a redução da chamada nutrição aguda e, principalmente, da desnutrição crônica.

Decréscimo na AL

O ranking mundial do IDH colocou o Brasil na faixa das nações com “elevado desenvolvimento humano”. O país está em 79º lugar, acima da Geórgia, Granada e Peru. E abaixo de países como Sérvia, Jordânia e Arzebaijão. Os países citados no estudo como os de IDH mais alto são Noruega (1º lugar), Austrália (2º), Suíça (3º), Suécia (4º), Estados Unidos (5º), Alemanha (6ª), Nova Zelândia (7ª ), Canadá (8ª ), Singapura (9ª ) e Dinamarca (10º).

Na América Latina, segundo o Pnud, houve uma desaceleração em relação ao IDH dos países, o que levou a região a ver reduzido pela metade o índice global dos últimos cinco anos. Mesmo assim, o relatório mostrou que, dentre os países latino-americanos com maior grau de desenvolvimento humano, despontam Chile (em 41º lugar), Cuba (44º) e Argentina (49º), enquanto outros 29 países da região estão classificados como de “elevado desenvolvimento” ou “médio desenvolvimento”.

Da Rede Brasil Atual


00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: