PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
15 de Setembro de 2014 | Notícias | Internacional

Ex-metalúrgico é eleito primeiro-ministro na Suécia

Stefan Löfven durante encontro com metalúrgicos do ABC

A oposição de esquerda venceu as eleições parlamentares na Suécia, enquanto a extrema-direita registrou um avanço histórico, segundo resultados definitivos divulgados na noite deste domingo.

Os social-democratas receberam  31,3% dos votos, o que faz do ex-metalúrgico e sindicalista, Stefan Löfven, o encarregado de formar o novo governo.

A votação foi histórica para os Democratas da Suécia (extrema-direita), que se tornarão o terceiro partido do país, com 12,9% do eleitorado.

Os social-democratas e seus aliados naturais - os Verdes e o Partido de Esquerda - somam mais de 43% dos votos, ficando abaixo da maioria absoluta, mas superando a coalizão de centro-direita até então no poder.

Em sua primeira declaração após a vitória, Löfven disse que está "pronto para explorar a possibilidade de formar o novo governo", e estendeu a mão "aos demais partidos democráticos" que queiram trabalhar com ele no Parlamento.

Mas o líder de esquerda rejeitou qualquer acordo com os Democratas da Suécia, que surgem como a terceira força do Parlamento. "Não haverá cooperação, é preciso levar em conta que 87% dos suecos não votaram neles".

Löfven qualificou os Verdes como seus "companheiros naturais de trabalho", do mesmo modo que o Partido de Esquerda, "com o qual mantemos uma boa colaboração".

O resultado representa o fim de oito anos de governo do primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt.

Reinfeldt admitiu na noite deste domingo sua derrota, anunciando que pedirá demissão na segunda-feira.

"O povo sueco tomou sua decisão. Diante disto, apresentarei amanhã minha demissão", declarou Reinfeldt na sede do Partido dos Moderados em Estocolmo.

O partido de Reinfeldt obteve 23,2% dos votos, contra 30,1% em 2010.

Já o presidente dos Democratas da Suécia, Jimmie Åkesson, 35, afirmou que "nós somos os donos da festa a partir de agora", ao comentar o avanço histórico de 5,7% em 2010 para 13% hoje.

"Agora damos as cartas (...). Será preciso governar o país e ficará difícil se não nos escutarem", previu Akesson, líder de um partido anti-imigração até agora marginal.

Mais cedo, ao depositar seu voto em Estocolmo, o vitorioso Löfven destacou que "haverá uma mudança na vida política sueca".

Do portal Istoé Dinheiro

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: