PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
19 de Setembro de 2014 | Notícias | Internacional

Em referendo, Escócia decide manter união com Reino Unido

Conter frustração dos defensores da independência será um dos maiores desafios de Salmond

Participação popular de 84,5% foi recorde; país terá mais autonomia a partir de janeiro, garantiu o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron

Em um processo considerado histórico, os escoceses decidiram que por 55% favoráveis ao “não” contra 45% que disseram “sim” à independência, o país seguirá sendo parte do Reino Unido. A vantagem é maior do que a verificada nas últimas pesquisas de opinião. Para diversos líderes europeus, o resultado foi um alívio por aplacar outras demandas independentistas na região.

O resultado definitivo foi divulgado na manhã desta sexta-feira (19) após a apuração dos 32 distritos eleitorais. A rejeição à separação conseguiu um total de 2.001.926 votos frente a 1.617.989 dos favoráveis. A participação do eleitorado foi de 84,5%, o que representa um recorde histórico. Nenhuma eleição realizada no Reino Unido desde a introdução do sufrágio universal há mais de cem anos conseguiu porcentagem tão alta.

Em seu pronunciamento após o resultado, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, garantiu que cumprirá em sua "totalidade" a promessa de entregar mais autonomia à Escócia. Ele assegurou que os partidos britânicos cumprirão com a transferência de mais poderes à Escócia em matéria fiscal e de estado de bem-estar social e confiou que em janeiro, já haverá a legislação correspondente.

Cameron considerou que, da mesma forma que a Escócia terá mais poderes, as outras três nações que formam o Reino Unido também deverão ter "voz" sobre suas competências.

O primeiro-ministro da Irlanda, Enda Kenny, assegurou que seu governo "seguirá muito de perto" as mudanças políticas na Escócia. "A atenção agora se centra sobre as mudanças que seguramente ocorrerão depois do referendo, particularmente os relacionados com a devolução de poderes. Seguiremos muito de perto esse processo na Irlanda", disse.

Em um ato em Edimburgo, o primeiro-ministro do governo autônomo da Escócia, Alex Salmond, líder da campanha independentista, agradeceu "pelos 1,6 milhões de votos a favor da independência" e pediu aos três grandes partidos do Reino Unido – conservadores, trabalhistas e liberal-democratas – que cumpram suas promessas de conceder mais autonomia à região. Ele também pediu "a todos na Escócia para fazer o mesmo e aceitar a vontade democrática do povo escocês".

Analistas consideram que Alex foi o grande vencedor do processo. Mesmo sem ter alcançado a vitória, o movimento independentista fez com que a sociedade escocesa, e principalmente os jovens desiludidos com a política, se envolvessem de novo e falassem com entusiasmo do país que queriam, com a possibilidade real de mudá-lo.

Para muitos escoceses, a independência não era exatamente uma expressão de nacionalismo, mas uma possibilidade de aplicar políticas distintas às de Londres.

Repercussão na Europa

Na Espanha, o presidente do governo, Mariano Rajoy, felicitou os escoceses pelo resultado do referendo e por ter protagonizado um "escrupuloso respeito à legalidade" que lhes levou a evitar as "graves consequências" que teria representado a independência.

Para Rajoy, os escoceses escolheram ontem "entre a segregação e a integração, entre o isolamento e a abertura, entre a estabilidade e a incerteza, entre a segurança e o risco certo".

As declarações do espanhol são uma espécie de recado à Catalunha que também deseja realizar uma consulta para decidir sobre sua autonomia. O parlamento catalão deve aprovar hoje a convocação de uma consulta defensora da soberania na região. Madri considera a consulta inconstitucional.

Na mesma linha, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, afirmou que o resultado é "bom" e favorece uma "Europa mais unida e forte".

"Dou as boas-vindas à decisão do povo escocês de manter sua unidade com o Reino Unido", disse Barroso, que afirmou que "este resultado é bom para a Europa unida, aberta e forte que a Comissão Europeia apoia".

Para o governo alemão, "os escoceses votaram de forma significativa a favor de se manter no Reino Unido e contra a independência", afirmou o porta-voz Steffen Seibert.

Os alemães, no entanto, destacaram que “os contextos legais” para convocar uma consulta na Escócia e na Catalunha são "totalmente diferentes", como já apontou a chanceler Angela Merkel em sua última visita à Espanha.

Catalunha

O presidente do Governo da Catalunha Artur Mas, afirmou hoje que o exemplo do plebiscito da Escócia é o "único caminho" que há para "resolver conflitos", porque segundo sua opinião, "votar une e não separa". Ele considerou que o processo defensor da soberania catalã "continua" porque, disse, se sente "reforçado" após a experiência da Escócia.

Hoje o Parlamento autônomo da Catalunha vota uma lei para convocar uma consulta defensora da soberania, que o executivo dessa região quer que seja realizado em 9 de novembro, e à qual o governo espanhol se opõe, por considerá-la inconstitucional.

Da Rede Brasil Atual

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: