PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
31 de Julho de 2015 | Hot Site

Impacto da Selic

Mais uma vez o Banco Central do Brasil elevou a taxa básica de juros, a SELIC, agora em 14,25% ao ano. O reajuste causa impactos diretos na economia, pois quando os juros estão ele­vados os agentes financeiros (bancos) deixam de ofertar crédito aos consumidores e direcionam parte dos recur­sos na compra de títulos do tesouro, ou seja, emprestam dinheiro ao governo que paga a mais por ele.

Quando a taxa de juros está mais elevada, o crédito ao consumidor fica mais restrito e mais caro, pois há menos dinheiro disponível no mercado.

Um exemplo disso pode ser observado na atual di­ficuldade de financiar um veículo. Na maioria dos ca­sos, os bancos estão exigindo entrada próxima ou igual a metade do valor do veículo e o financiamento dificilmente ultrapassa 36 parcelas.

Em julho de 2013, a taxa SELIC era de 8,5% ao ano. Naquele momento, o saldo de crédito disponível no mer­cado financeiro para fazer empréstimos para as pessoas físicas e jurídicas comprarem veículos era de R$ 248,993 bilhões (corrigidos a valores atuais). Com a elevação dos juros, atualmente o valor dis­ponível para essas transações caiu para R$ 193,416 bilhões.

Essa é uma maneira de en­tender porque a taxa SELIC é um instrumento da política monetária do governo no combate à inflação e tem, como princípio, desestimular o consumo para controlar a variação dos preços.

Comente este artigo. Envie um e-mail para sumetabc@dieese.org.br | Subseção do Dieese

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: