PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
13 de Agosto de 2015 | Notícias

70 mil mulheres marcham em defesa da democracia e pelo fim da violência

Foto: Roberto Parizotti

Mais de 70 mil trabalhado­ras do campo e da cidade, entre elas as metalúrgicas do ABC, caminharam pela esplanada dos ministérios, em Brasília, ontem, em defesa da democracia e pelo fim da violência contra a mulher na 5ª Marcha das Margaridas.

“Essa união é importante para fortalecer a luta que é de todas as tra­balhadoras e todos os trabalhadores do Brasil, por respeito e igualdade de direitos”, destacou a diretora executiva e coordenadora da Comissão das Me­talúrgicas do ABC, Ana Nice Martins de Carvalho, que participou da Marcha.

“Esse mar lilás tem a energia e a vi­bração de todas nós, mães, mulheres e guerreiras por um País mais justo, democrático e igualitário”, completou a dirigente.

A Marcha é organizada pela Con­federação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura, a Contag, com o apoio de outras entidades sindicais, como o Sindicato.

“A Marcha das Margaridas é uma das manifestações mais expressivas dos movimentos sociais e é feita por agri­cultoras familiares que trabalham dia e noite para produzir 70% da comida que chega às mesas dos brasileiros”, afirmou o ex-presidente Lula, durante a abertura do encontro na terça-feira.

Fotos: Lula Marques/Agência PT

“Se tem uma coisa que o povo brasi­leiro aprendeu a fazer nos últimos anos foi sua própria história. Com a força do povo, a coragem e a garra das mulheres, não há ninguém que tente ameaçar o processo democrático que está implan­tado nesse País. Essa gente não percebeu que a eleição acabou em outubro e que a Dilma é a presidenta desse País?”, acrescentou o ex-presidente.

Sob o grito das mulheres de “não vai ter golpe”, a presidenta Dilma Rousseff, encerrou a Marcha das Margaridas comprometendo-se com os avanços nos direitos.

“Se temos conquistas para as mu­lheres, foi porque as margaridas partici­param ativamente da construção destas políticas”, disse.

“Vocês inspiram a mim, presidenta da República e a todo o meu governo”, concluiu a presidenta.

Quem foi Margarida Alves?

A marcha das mulheres trabalhadoras rurais recebeu o nome de MARCHA DAS MARGARIDAS em homenagem à líder sindical, Margarida Maria Alves, assassinada em 1983, na porta de sua casa, por latifundiários do Grupo Várzea, na cidade de Alagoa Grande, Paraíba. Margarida Maria Alves era presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande, na Paraíba, e funda­dora do Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural. Ela incentivava os trabalhadores rurais a buscarem na Justiça a garantia dos seus direitos, como carteira de trabalho assinada, 13º salário e férias.

Em seu último discurso, registrado em fita cassete, Margarida denunciou as ameaças que vinha sofrendo e disse que preferiria morrer lutando a morrer de fome.

Da Redação. 

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: