PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
21 de Janeiro de 2016 | Notícias

Sindicato alerta manobra do Itaú no crédito consignado

Foto: Edu Guimarães

“Não vamos permitir au­mentos nas taxas do em­préstimo consignado de maneira abusiva e indiscri­minada na categoria”. Esse é o recado do diretor de Organiza­ção do Sindicato, José Roberto Nogueira da Silva, o Bigodinho, após atualização da tabela na modalidade oferecida aos tra­balhadores na base pelo banco Itaú no início de janeiro.

O dirigente contou que, sem qualquer conversa pré­via com o Sindicato, o banco, que atende os companheiros na Volks, em São Bernardo, e outras fábricas na região, aumentou os juros surpreen­dendo os companheiros que utilizam o sistema.

Com dados de março de 2015 da subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos no Sindicato, o Dieese-SMABC, a taxa de juros era bem menor. O Itaú, na Volks, cobrava em parcelas de até seis ve­zes 1,50% contra 1,99% em 2016; em até 12 vezes 1,75% contra 2,26%; e até 24 vezes 2,00% contra 2,51% hoje, por exemplo (confira tabela nesta página).

“Os juros do empréstimo consignado são mais baixos porque o banco desconta di­retamente do salário, ou seja, não existe risco de calote. Por isso, não podemos aceitar abusos”, declarou Bigodinho.

De julho a setembro pas­sado, o Itaú teve um lucro lí­quido de R$ 5,945 bilhões, um avanço de 10% ante o mesmo período de 2014, já que os ganhos haviam atingido R$ 5,404 bilhões, apesar da crise. “E os ganhos do banco não param de aumentar desde o primeiro trimestre de 2013, em valores corrigidos pela inflação”, garantiu.

Segundo o dirigente, ope­rações no mercado financeiro e apostas em serviços e linhas de crédito, além do reajuste de taxas, são algumas das ativida­des que mais rendem ao banco.

“Não vamos pagar essa conta. Se há um setor que ganha muito no Brasil é o sis­tema financeiro, enriquecen­do os cofres dos banqueiros significativamente”, lembrou Bigodinho.

Os empréstimos consigna­dos começaram a ser discuti­dos em 2003 quando, a partir de uma proposta da CUT, o governo federal regulamen­tou a operação. O objetivo foi reduzir as taxas de juros no País e, desta forma, au­mentar oferta de crédito aos trabalhadores.

“Como os companheiros ofereceram seus pagamentos como garantia para quitar o empréstimo, não justificava que os bancos cobrassem ta­xas tão altas como na época. E é isso que a categoria não admitiu e nem deve mais ad­mitir”, concluiu o diretor de Organização.

Da Redação. 

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: