PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
23 de Fevereiro de 2016 | Notícias | Política

Professores discutem integração entre ciência e mercado para o avanço da inovação no País

Professores discutem integração entre ciência e mercado para o avanço da inovação no País
O debate sobre os desafios da inova- ção no ABC e no Brasil contou com a contribuição de representantes de quatro universidades. Entre os principais temas tratados está o uso do conhecimento científico para atender as necessidades das empresas e, assim, fortalecer o desenvolvimento da inovação. Os professores destacaram a integra- ção necessária entre ciência, sociedade, tecnologia e inovação para o trabalhador ser valorizado e qualificado, o Brasil crescer e a empresa ter lucro. Confira alguns tópicos discutidos:
“Fortalecer a engenharia nacional é construir conhecimento, que é patrimônio de um País. É incentivar o desenvolvimento local e tecnológico para aumentar a produção, o lucro, os empregos e a qualidade de vida da popula- ção”, Ângelo Fernando Padilha, professor titular da Escola Politécnica da USP.
“A principal fonte de recursos em P&D nos Estados Unidos vem da indústria. No Brasil, existe um forte investimento público. O desafio é aumentar os recursos privados para que a tecnologia e a inovação sejam desenvolvidas no País”, prof. dr. Vagner Barbeta, diretor do Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais da FEI.
“O sindicalismo é um vértice importante para a construção coletiva da inovação no ABC. Pesquisa e desenvolvimento são muito concentrados nas universidades e a cultura dos empresários é de curto prazo. É preciso articular os atores”, profª. dra. Anapatrícia Morales Vilha, coordenadora da Agência de Inovação da UFABC.
“Desde que estivermos juntos, poderemos tudo. Exemplo é o projeto do birô de ferramentaria, onde empresas pequenas ou grandes poderão fazer seus projetos. É a chamada inovação aberta onde todos ganham”, prof. dr. José Carlos Souza Junior, reitor do Instituto Mauá de Tecnologia.

 

O debate sobre os desafios da inova- ção no ABC e no Brasil contou com a contribuição de representantes de quatro universidades. Entre os principais temas tratados está o uso do conhecimento científico para atender as necessidades das empresas e, assim, fortalecer o desenvolvimento da inovação. Os professores destacaram a integra- ção necessária entre ciência, sociedade, tecnologia e inovação para o trabalhador ser valorizado e qualificado, o Brasil crescer e a empresa ter lucro. Confira alguns tópicos discutidos:

“Fortalecer a engenharia nacional é construir conhecimento, que é patrimônio de um País. É incentivar o desenvolvimento local e tecnológico para aumentar a produção, o lucro, os empregos e a qualidade de vida da população”, Ângelo Fernando Padilha, professor titular da Escola Politécnica da USP.

“A principal fonte de recursos em P&D nos Estados Unidos vem da indústria. No Brasil, existe um forte investimento público. O desafio é aumentar os recursos privados para que a tecnologia e a inovação sejam desenvolvidas no País”, prof. dr. Vagner Barbeta, diretor do Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais da FEI.

“O sindicalismo é um vértice importante para a construção coletiva da inovação no ABC. Pesquisa e desenvolvimento são muito concentrados nas universidades e a cultura dos empresários é de curto prazo. É preciso articular os atores”, profª. dra. Anapatrícia Morales Vilha, coordenadora da Agência de Inovação da UFABC.

“Desde que estivermos juntos, poderemos tudo. Exemplo é o projeto do birô de ferramentaria, onde empresas pequenas ou grandes poderão fazer seus projetos. É a chamada inovação aberta onde todos ganham”, prof. dr. José Carlos Souza Junior, reitor do Instituto Mauá de Tecnologia.

Da Redação

 

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: