PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
8 de Fevereiro de 2019 | Notícias

Um alerta ao presente e ao futuro

Sindicato entrega carta ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e faz a defesa dos empregos e da indústria nacional

O presidente do Sindicato, Wagner Santana, o Wagnão, e o diretor administrativo, Moisés Selerges, entregaram uma carta dos Metalúrgicos do ABC ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em reunião ontem, em Brasília.

“O Sindicato cumpre o seu papel ao falar com o governo federal sobre tudo aquilo o que preocupa e afeta trabalhadores. O Brasil tem que ter uma in­dústria forte, que gere empregos de qualidade. Para isso, é preciso incentivos, um BNDES fortalecido e um sistema de qualificação dos trabalhadores que nos prepare para um Brasil competitivo”, afirmou Wagnão.

“Não dá para o país passar por desindustrializa­ção, cair da sexta para a nona economia mundial e caminhar para a 10ª, 12ª posição. Essa queda, com perda de 1,1 milhão de postos de trabalho, tem que ser estancada.”, prosseguiu.

“Somos terminantemente contra a lógica de carteira verde amarela que cria subempregos, em­pobrece as famílias e não leva ao desenvolvimento. O Brasil não pode ser um país apenas exportador de commodities e ter uma indústria subdesenvol­vida”, explicou.

Na carta, o Sindicato reitera que a reforma Tra­balhista precariza as condições de trabalho, reduz os salários e tem efeitos negativos para o desen­volvimento econômico sustentável e a redução das desigualdades. Também alerta sobre o crescimento da pobreza e da desigualdade, inclusive com me­didas de desmonte de políticas públicas e a PEC dos gastos, que congelou investimentos públicos por 20 anos.

“Reiteramos nossos alertas ao presente e ao fu­turo. Reiteremos que este Sindicato sempre estará à disposição para o diálogo, para debater ações que promovam o desenvolvimento do Brasil, desde que se paute pela justiça social, e pelo espírito público, que deve permear as relações entre o governo e os movimentos sociais em um Estado democrático de direito”, conclui a carta (confira a íntegra).

Wagnão contou que, ao receber o documento, o vice-presidente disse que tem o mesmo obje­tivo de não querer o empobrecimento do país e da população. Sobre a proposta de criação de um fórum para debater a reforma da Previdência, Mourão respondeu que o espaço de debates será o Congresso Nacional.

Reforma da Previdência

Junto com o presidente da CUT, Vagner Freitas, e o secretário-geral, Sérgio Nobre, que acom­panharam a reunião, os dirigentes reforçaram ao vice-presidente da República que a CUT não aceitará a reforma da Previdência como está sendo desenhada.

“Aproveitamos o ensejo para dizer ao vice-presi­dente do país que essa reforma da Previdência que está sendo posta na mídia não tem a nossa concor­dância. Não vamos aceitar nenhuma proposta que retire nossos direitos”, disse Vagner Freitas.

“Defendemos uma Previdência Social para todos, que não se torne poupança de banqueiro”, afirmou o presidente da CUT, referindo-se ao sistema de capitalização que vem sendo colocado pelo governo como alternativa ao modelo vigente de aposentadoria.

Da Redação. 

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: