PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
10 de Abril de 2019 | Notícias

Reforma boa pra quem?

Diretor executivo do Sindicato detalha maldades da reforma da Previdência e trabalhadores em Ribeirão aprovam luta

Foto: Adonis Guerra

Indignados com os absurdos contidos na reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro, os companheiros nas empresas Aperam e Fledlaz, em Ribeirão Pires, aprovaram em assembleias, a disposição para lutar pela Previdência e, inclusive, aderir à greve geral, se for convocada pelo Sindicato, para defender os direitos da classe trabalhadora.

O diretor executivo dos Metalúrgicos do ABC, responsável por Políticas Industriais, Wellington Messias Damasceno, destacou os principais pontos da reforma que tanto preocupam o trabalhador.

Boa pra quem?

“O governo divulga que a reforma é boa, que vai salvar o país. Mas boa pra quem? Se a reforma fosse boa, os militares e o judiciário estariam brigando para entrar nela. Mas não é isso que está acontecendo. Os militares têm um projeto separado, e ninguém mencionou até agora o que vai acontecer com o judiciário que não está na proposta”.

Só 60%

“Nessa proposta que temos que enterrar, se o homem não tiver 65 anos e a mulher 62, não aposentam mais, esquece o tempo de contribuição. Mas essa não é a pior maldade. Se o homem tiver 65 anos, ele só aposenta se tiver 20 anos de contribuição, com direito a só 60% da MÉDIA SALARIAL, não é mais 100%. Para chegar aos 100%, homens e mulheres vão precisar trabalhar 40 anos”.

Soma tudo

“Na regra atual, o cálculo é feito pela média das contribuições, os 20% de salários menores são descartados, aqueles do começo de carreira, de aprendiz, do período que você ficou desempregado e pagou o carnê. Na proposta do governo, o cálculo é com 100% das contribuições. Quando se considera todo o período, a média cai. Então, além de você trabalhar mais, com mais idade, no final das contas o valor da aposentadoria será menor”.

Acaba com a conversão

“Na estamparia, por exemplo, ou você tem direito a aposentadoria especial por insalubridade ou é possível converter a parte que trabalhou exposto. Mas se a gente deixar passar essa proposta, acabou a conversão. Você que trabalhou 10 anos no banco, 10 anos no comércio e mais 15 na prensa e pretende converter para aumentar seu rendimento, esquece, não converte mais. Essa história de 5 anos virar 7 para homem e 5 virar 6 para mulher, acaba na proposta, tira a condição da conversão”.

E a especial?

“Na proposta do governo são 25 anos de contribuição com a idade mínima de 60 anos para homens e mulheres. Agora, imagine trabalhar até os 60 anos pegando chapa e pondo para bater na prensa. Se o companheiro ou a companheira tiver 60 anos de idade e 25 de contribuição insalubre vai receber 60%. Para receber 100% tem que trabalhar 40 anos. Independente do seu PPP”.

Calma que tem mais!

“Tem um negócio que chama FGTS e um outro que chama multa do FGTS que não têm nada a ver com a Previdência, mas que vão sofrer alteração. O companheiro que aposentou, saiu da empresa, quando ele volta pro mercado, a empresa já não vai recolher o FGTS nem dele e nem da empresa e o aposentado que está trabalhando, se a gente deixar aprovar essa reforma, quando ele sair não receberá mais a multa dos 40%. Alguém ouviu falar disso na mídia?”

É só isso? Não. Tem a capitalização

“Tá vendo esse menino novo que está aí? O governo olha pra ele e diz: ‘Pra que ficar contribuindo com a previdência normal? O negócio é capitalização’. Hoje funciona assim: O meu pai está aposentado e eu estou trabalhando, então eu contribuo para o INSS e o INSS paga o meu pai. A lógica é que quando eu me aposentar, o meu filho trabalhe para pagar o INSS e o INSS me pague. Esse é o sistema. A ideia do governo é que a nossa geração não aposente, porque não vai ter quem pague, já que quem entrar agora no mercado não vai mais pagar o INSS, vai pagar capitalização”.

Terminei? Não. Mas não dá pra falar tudo

“Não vou falar de aposentadoria rural, de previdência pública, não vou falar de professor, não vou falar de Benefício de Prestação Continuada de 400 reais...

Continua...

Da redção

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: