PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
26 de Novembro de 2019 | Hot Site

A urgência da economia, e do trabalho

A ausência de uma política pública de desenvolvimento econômico já cobrou o seu preço. A retomada da atividade econômica é lenta, minúscula, frágil. O investimento privado não aparece. O emprego perdido não retorna. Violência, precarização, pobreza e desigualdade são as marcas do atual governo, onde nada se planeja e tudo se improvisa. O resultado, obviamente, só pode ser a derrota do país.

 Que outro rumo é possível? A ênfase das centrais sindicais no lançamento do seu plano emergencial, há uma semana, está na urgência de trazer o trabalho para o centro da economia. Nos três pilares da proposta temos a atenção voltada para a situação de emergência social, a proteção ao desempregado, e a geração de empregos.

A emergência já passou da hora, e a proposta destaca a necessidade de controle de preços da cesta básica, do gás de cozinha, do transporte coletivo, dos tributos que pesam sobre o consumo das famílias, das ações de combate à pobreza e à desigualdade. Esse é o patamar básico sobre o qual as condições de vida da população mais carente devem estar apoiadas.

A proteção aos desempregados se reafirma diante de um governo que tem a capacidade de tributar o próprio seguro-desemprego! A ideia de um sistema público de emprego operando como uma rede de apoio parece óbvia, como aplicada no passado recente, mas o desmanche realizado nas políticas federais, incluindo o desaparecimento do próprio Ministério do Trabalho, aponta para a dura batalha que temos agora, e para os próximos anos.

Por fim, a geração de empregos. Que viria com a reforma Trabalhista de 2017, que viria com a aprovação da nefasta reforma da Previdência, que viria com a desoneração dos encargos sobre a contratação de jovens na mais recente medida, mas não virá!  E não virá enquanto medidas estruturais de retomada da demanda e do consumo das famílias, enquanto uma política pública de desenvolvimento não for elaborada e implementada, tendo a valorização do trabalho no centro das atenções e das preocupações de todo o país.

 

Comente este artigo. Envie um e-mail para sumetabc@dieese.org.br

Subseção do Dieese

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: