PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
29 de Novembro de 2019 | Hot Site | Formação

O sequestro da liberdade dos negros livres

Em todo o período do tráfico de escravos para o Brasil (1540 até 1850), chegaram 4,8 milhões de africanos escravizados. Entre 1801 a 1825 entraram 1.012.762 africanos; de 1826 a1850, foram 1.041.964, e outros 6.800 vieram após a nova lei de proibição do tráfico de 1850.

Esses números são importantes quando se observa o não cumprimento da lei de 7 de novembro de 1831 que proibia o tráfico de escravos africanos para o Brasil. A Lei dizia no seu artigo 1º:  Todos os escravos, que entrarem no território ou portos do Brasil, vindos de fora, ficam livres.

Nas duas décadas seguintes à promulgação da lei, mais de 750 mil negros foram introduzidos no território nacional por contrabando, permanecendo ilegalmente escravizados, assim como seus descendentes. Para que esse crime se concretizasse uma ampla rede de pessoas eram mobilizadas, que iam de autoridades do executivo federal, estadual e municipal, juízes, autoridades portuárias, autoridades policias, plantadores de café, além dos próprios traficantes de escravos.

Essa complexa rede também era acionada para encobrir uma série de artifícios utilizados para adulterar as datas de chegada dos africanos e produzir documentos falsos para “legalizar” a posse do africano, que pela lei era considerado pessoa livre. Esse crime cometido por autoridades com a conivência da sociedade da época é mais um capítulo da longa história de violência contra a população negra em nosso país, que quase dois séculos depois, continua tristemente fazendo parte da nossa realidade social.

Comente este artigo. Envie um e-mail para formacao@smabc.org.br

Departamento de Formação

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: