PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
7 de Fevereiro de 2020 | Notícias

Fala Wagnão: Um recado ao empresariado

Em troca das reformas trabalhista, previdenciária e tantas outras que beneficiam o empresariado, uma boa parte destes têm dado apoio incondicional ao governo Bolsonaro, o que, no nosso entender, é uma cegueira de quem está atirando no próprio pé. 

Nós não estamos vendo nenhuma proposta que, de fato, apoie a indústria nacional, o que o governo teria a obrigação de fazer. O que estamos assistindo, e que esse empresariado não percebe, é o desmonte de empresas como a Petrobras, empresas de infraestrutura que movimentam esse país, indutoras da produção das médias e pequenas empresas.

Em troca de um apoio para reformas que precarizam o trabalho e empobrecem a classe trabalhadora, esses empresários não estão enxergando que o anarcoliberalismo, professado por Paulo Guedes, está destruindo a indústria nacional. Isso é um contrassenso, pois uma visão liberal não impediria uma ação nacionalista de valorização e desenvolvimento da indústria brasileira.

Esta cegueira tem custado, ao longo de 2019 e já em 2020, o fechamento de várias empresas, e as outras que conseguem sobreviver o fazem a duras penas, pois não há um projeto que dê condições de preencher a capacidade ociosa da maioria das nossas fábricas.

Enquanto isso, entidades patronais como a Fiesp, por meio de um desvirtuamento de seu papel de defesa do projeto para seus associados, é utilizada como principal instrumento de projeção da imagem política de seu presidente. Falta nesse aspecto pragmatismo que seria característico da ação empresarial de promoção de políticas e alinhamento para o sucesso de seu negócio. É uma posição “emburrecida” por ganhos que não estão se concretizando, é um tiro no próprio pé no caminho do suicídio coletivo.

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: