Divididas, montadoras assumem infraestrutura para carro elétrico

Parte do setor defende o híbrido como solução para o Brasil, outra parcela investe na rede de recarga apostando no 100% elétrico

A eletrificação dos automóveis é um caminho sem volta. A maior parte dos fabricantes já fixou datas para o fim da produção de carros a combustão, que variam entre 2030 e 2040. O Brasil, está, no entanto, atolado num ambiente desordenado. O governo não oferece direções e as empresas estão divididas. De um lado, as montadoras com forte estrutura industrial buscam alternativas para prorrogar a produção de carros a combustão, aproveitando a tecnologia do etanol.

Já as que defendem que o país siga a tendência mundial decidiram assumir todo o investimento na instalação de infraestrutura de recarga. As marcas de luxo, que concentram as vendas de carros 100% elétricos, ajudam o consumidor a colocar equipamentos de recarga rápida em casa ou no escritório e têm espalhado pontos em áreas de circulação urbana pública, como shoppings e supermercados. Mas pegar uma estrada em carro elétrico no Brasil ainda é um desafio.

A Volvo Car anuncia hoje um plano para criar corredores de recarga em diversas rodovias. A primeira fase, que absorverá investimento de R$ 10 milhões, envolve rotas que ligam São Paulo a Minas Gerais, Rio, e também ao interior e litoral paulistas. Também em parceria com a EDP, o grupo Volkswagen – que inclui Audi e Porsche – tem sete pontos instalados em rodovias do Paraná e Rio, três em obras e pretende ampliar a oferta no próximo ano.

Por enquanto, o custo da energia fica por conta dos estabelecimentos onde os carregadores são instalados. Outras marcas de luxo também têm expandido suas redes nas cidades. Ontem, a Audi anunciou investimento de R$ 20 milhões para instalar postos de recarga rápida em praticamente todas as 42 concessionárias da marca. A marca já conta com 80. Porsche e BMW têm 131 e 300 pontos, respectivamente, e também oferecem o serviço gratuitamente em hotéis, restaurantes e shoppings.

Do Valor Econômico