“Nenhum direito pode ser retirado”, diz Vagner Freitas

Milhares de trabalhadores participam hoje do ato pelo Dia Nacional de Luta por Emprego e Direitos em todo o País. Em São Paulo, a concentração será no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na Ave­nida Paulista, às 10h.

O movimento passará pela Petrobras e pelo Ministério da Fazenda, onde serão entregues documentos da CUT e demais centrais contra as medidas anunciadas pelo governo fe­deral.

Em São Bernardo, os compa­nheiros se reunirão a partir das 7h em frente à Scania e à Arteb.

O objetivo da mobilização é retomar as negociações com o governo federal, que editou duas medidas provisórias no final do ano passado alterando o acesso ao seguro-desempre­go, o auxílio-doença, pensão por morte e o abono salarial. E também o pacote de ajustes fiscais divulgado no último dia 19, que restringe crédito, aumenta juros e dificulta a produção.

“A CUT deixou claro ao governo que é contrária às medidas provisórias”, decla­rou o presidente da central, Vagner Freitas (foto). “Tudo isso porque foram feitas sem negociação conosco e porque os trabalhadores não arcarão com a conta do ajuste fiscal sugerido”, prosseguiu.

“O eixo prioritário de luta da CUT é a manutenção dos direi­tos, do emprego e uma política de crescimento econômico”, lembrou o presidente. “Faremos o ato hoje e já convocamos todos os companheiros para a Marcha da Classe Trabalhadora no dia 26 de fevereiro, em São Paulo”, continuou.

“A luta é para manter as conquistas e nenhum direito pode ser retirado, caso con­trário voltamos às ruas com muita mobilização, garra e coragem”, concluiu Vagner Freitas.

Também estão previstas outras 16 manifestações con­juntas nas capitais Aracajú (SE), Belém (PA), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Porto Alegre (RS), Re­cife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA) e Teresina (PI).

Ato em São Paulo

Concentração no Vão Livre do Masp. A partir das 10h

Da Redação