Venezuela: Povo diz sim a Chávez

Por ampla maioria, o povo venezuelano decidiu manter Hugo Chávez na presidência. Ele conquistou 58,25% dos votos do plebiscito realizado domingo, contra 41,74% obtidos pela oposição. Foram 4.991.483 votos favoráveis a Chávez, contra 3.576.517 que pediam sua saída do cargo.

Apesar de todo o período que antecedeu a eleição ter transcorrido na mais absoluta democracia, sem qualquer pressão do governo contra seus opositores, logo após a abertura das urnas os anti-chavistas reclamavam de fraude.

O argumento não tem o menor sentido pois a vitória foi reconhecida ontem mesmo pela OEA e observadores estrangeiros.

Quase ao mesmo tempo, as emissoras de TV privadas, que fizeram campanha aberta para a oposição, começavam a abrir seus microfones para os líderes anti-Cháves, em uma aberta pregação golpista.

Já uma multidão de partidários do presidente gritava sem parar as palavras de ordem “Uh, ah! Chávez no se vá!” e “Fora esquálidos!” Desde o horário oficial do encerramento da votação, grupos de chavistas vindos de várias partes da cidade começaram a tomar as ruas do centro velho de Caracas.

Resistência ao neoliberalismo
Quase todos contavam histórias de longa permanência nas filas de votação, espera que em alguns casos se estendeu até as 2h30 da manhã, quando o último voto foi registrado.

Margarita López-Maya, a cientista política de maior peso na Venezuela e professora da Universidade Central, disse que o resultado do plebiscito dá uma base mais sólida e estável para a continuidade do processo de mudanças em curso e que Chávez está legitimado para concorrer a mais uma eleição.

Segundo ela, a vitória fortalecerá a resistência ao neoliberalismo, aos modelos de ajuste e às democracias formais que predominam na América Latina. “Traz esperanças para outras organizações sociais e políticas que lutam para alcançar o poder nacional. Essas vitórias sempre são contagiosas”, analisou.

No entanto, a professa lembra que as eleições norte-americanas de novembro vão condicionar muito a luta na região. “Se Bush ganhar, o resultado do plebiscito poderá significar uma vitória de Pirro”, afirmou.