CUT e centrais pedem ao presidente do Senado que MP 905 seja devolvida

"Essa medida é uma aberração e tem que ser devolvida", diz Sérgio Nobre

Foto: Marcos Brandão/Senado Federal

O presidente da CUT, Sérgio Nobre, juntamente com representantes das demais centrais sindicais, pediu ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que devolva a Medida Provisória nº 905, da Carteira Verde e Amarela, ao governo de Jair Bolsonaro. O pedido foi feito oficialmente na tarde do último dia 26, durante reunião em Brasília.

“Essa medida é uma aberração e tem que ser devolvida”. Segundo Sérgio Nobre, foi essa a frase usada pelo grupo de sindicalistas para definir a Alcolumbre o que significa para a classe trabalhadora a MP 905.

“Destacamos ao presidente do Senado os pontos mais cruéis dessa medida provisória, como o que tira o sindicato da negociação do PLR; o que desregulamenta a jornada de trabalho de categorias importantes, entre elas a dos bancários, e o que taxa os desempregados”, disse o presidente da CUT.

Para Sérgio Nobre, a taxação do seguro desemprego é uma “perversidade sem tamanho”. Outro absurdo da MP 905 destacado pelas CUT e demais centrais é o que estabelece multa aos trabalhadores sindicalizados que não votarem nas assembleias.

A MP foi apresentada por Bolsonaro em 12 de novembro e ainda aguarda instalação de comissão mista no Congresso para tramitar.