Violência no trabalho: quem responde?

O risco de trabalhadores serem vítimas da violência nos locais de trabalho aumenta a cada dia. Roubos, agressões, lesões corporais e até homicí­dios têm sido frequentes em algumas empresas. E o Estado, há muito tempo, vem se mos­trando incapaz de garantir a segurança.

Recentemente, os tribunais do trabalho decidiram que os empregadores são responsáveis pela segurança de seus traba­lhadores. Em Belo Horizonte, um posto de combustível teve que indenizar, em R$ 8 mil, um frentista que sofreu sete assaltos à mão armada.

No Ceará, um trabalha­dor da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) – atingido por arma de fogo em um assalto a agência da cidade de Brejo Santo, que funcionava como correspon­dente bancário do Bradesco – vai receber indenização no valor de R$ 100 mil. A agência fazia o pagamento de aposen­tadorias, com movimentação de dinheiro, mas não tinha segurança compatível para minorar os riscos de assalto e proteger trabalhadores e clientes.

Na última segunda-feira, as agências bancárias do Estado do Rio Grande do Sul foram autorizadas a não abrirem as portas em função da paralisa­ção por atrasos no pagamento de salários da polícia civil e brigada militar.

A segurança é responsabili­dade de toda a sociedade, mas o Estado e os patrões devem adotar medidas eficazes que protejam a vida e a integridade física dos cidadãos em geral e dos trabalhadores no particular.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected] | Departamento Jurídico