40 anos da Comissão de Fábrica na Ford

Dia 6 de julho de 1981, cerca de 9 mil trabalhadores na Ford, planta de São Bernardo, iniciaram uma greve que teria um desdobramento histórico não só para a categoria, mas para todo o sindicalismo brasileiro: a conquista da primeira Comissão de Fábrica dos metalúrgicos do ABC.

Foto: Divulgação

O ano de 1981 foi um dos mais terríveis para a economia brasileira, o país experimentou a pior recessão desde 1947 com uma retração do PIB de 4,3%. A categoria foi atingida com 35 mil demissões em São Bernardo e Diadema. Na Ford não foi diferente e, no dia 3 de julho, a empresa anunciou a demissão de 450 trabalhadores. Três dias depois os trabalhadores decidiram cruzar os braços exigindo a readmissão dos demitidos e o reconhecimento da Comissão de Fábrica.

O Sindicato estava sob intervenção federal. Os trabalhadores adotaram uma estratégia diferente: entravam normalmente na fábrica, batiam o ponto, dirigiam-se ao posto de trabalho onde permaneciam parados sem ligar a máquina até o fim do expediente. Depois faziam novamente o ritual de marcar o cartão e voltavam para a casa. Os grupos de militantes faziam passeatas no interior da fábrica com faixas e gritando palavras de ordem em todos os turnos.

A conquista da Comissão de Fábrica no acordo firmado em 21 de julho de 1981 representou o início de uma nova era que se tornou um símbolo da luta dos metalúrgicos do ABC: a força do Sindicato no local de trabalho.

A Ford anunciou o fechamento da sua planta em 19 de fevereiro de 2019 e as máquinas no antigo prédio do bairro do Taboão pararam de funcionar em outubro do mesmo ano, depois de 52 anos em atividade. Porém, a história de lutas e conquistas dos trabalhadores permanece viva na memória de toda a categoria como um exemplo para a atual e para as futuras gerações.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Departamento de Formação