A inflação e a campanha salarial em 2022

A Campanha Salarial de 2022 ocorre num cenário de retomada da inflação. Chegamos em abril de 2022 com a cesta básica mais cara do Brasil:  R$ 803,99 em São Paulo, com alta de 27,1% em 12 meses. Já o INPC, base para a Campanha Salarial, acumula alta de 11,7% nos mesmos 12 meses, até março. E mais uma vez o desafio é impedir que os custos da inflação sejam transferidos dos patrões para as costas dos trabalhadores. 

Foto: Divulgação

A política econômica adotada pelo atual governo é de marginalização da classe trabalhadora. As notícias evidenciam isso: pela primeira vez desde o Plano Real, um presidente da República vai concluir o seu mandato com o salário mínimo tendo poder de compra menor que no momento da posse. 

Não bastasse isso, na semana passada o governo elevou novamente a taxa de juros básica, a Selic, para 12,75%. Essa medida só faria sentido se a economia estivesse aquecida, as pessoas com renda na mão e consumindo, mas basta olharmos para os carrinhos vazios nos supermercados e para os mais de 12 milhões de desempregados. Essa é a nossa realidade, que precisamos alterar com urgência.

Mais uma vez, os trabalhadores e trabalhadoras da categoria têm um papel central nos rumos do país. Uma Campanha Salarial vitoriosa é fundamental para influenciar outras categorias e, sobretudo, reverter essa lógica perversa da nossa economia, garantindo renda nas mãos da classe trabalhadora, e aplicando outra vacina necessária no combate à crise.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Subseção do Dieese