A triste realidade do trabalho infantil no Brasil

Amanhã, 12 de junho, é o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil estipulado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) em 2002. O ano de 2021 também foi escolhido pela entidade como o Ano Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil com objetivo de erradicar o trabalho infantil em todo o mundo.

Foto: Divulgação

De acordo com os dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 2019, quase 1,8 milhão de crianças e adolescentes no país vivem a realidade do trabalho infantil.

“Mas acreditamos que esse número seja subnotificado. Existem várias formas de trabalho infantil que são de difícil identificação”, afirmou Bruna Ribeiro, autora do livro “Meninos Malabares: Retratos do Trabalho Infantil no Brasil”, lançado recentemente.

Assim como a desigualdade social, o trabalho infantil reflete o racismo estrutural da sociedade brasileira. Do total de crianças e adolescentes trabalhadores, dois terços são pretos e pardos. Nos últimos 13 anos, 290 crianças e adolescentes morreram enquanto trabalhavam e quase 30 mil sofreram acidentes graves. Apenas em 2020, foram registrados 2.593 casos graves. 

A crise da Covid-19 agravou ainda mais o quadro de vulnerabilidade social podendo reverter anos de avanço no combate ao trabalho infantil. O fechamento de escolas levou milhões de crianças ao trabalho nos países marcados pela desigualdade social para contribuir com a renda familiar. “O trabalho infantil rouba o futuro das crianças e mantém as famílias na pobreza”, ressaltou o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

Infelizmente a situação de combate ao trabalho infantil no Brasil é desalentadora. A elevação da pobreza causada pela política econômica adotada desde 2016, agravada pela pandemia e somada às políticas de desmantelamento dos instrumentos públicos de fiscalização do trabalho, traçam um cenário sombrio para as crianças brasileiras que têm seu futuro e seus sonhos sequestrados pelos donos do poder que dirigem o nosso país atualmente.

Comente este artigo. Envie um e-mail para fo[email protected]

Departamento de Formação