Acordos encerram campanha salarial

Assembléia realizada na tarde de sexta-feira na Sede do Sindicato entre os companheiros nas empresas de Fundição e Grupo 9 aprovou propostas.

Como acordos já haviam sido aprovados com os grupo 5 e 10, e também junto a todas as montadoras, os metalúrgicos do ABC tiveram quase todas as suas reivindicações da campanha salarial atendidas pelos patrões. Acompanhe os acordos:

>> Grupo 5 – autopeças, forjarias e indústrias de parafusos

Empresas com mais de 100 trabalhadores, 16,16% em parcela única a partir de 1º de novembro até teto de R$ 2.600,00. Acima disso valor fixo de R$ 420,00.

Empresas com menos de 100 trabalhadores, 16,16% em duas parcelas, sendo 12% a partir de 1º de novembro e 3,72% a partir de 1º de fevereiro até teto de R$ 2.600,00. Acima, valor fixo de R$ 312,00 a partir de 1º de novembro e R$ 108,00 a partir de 1º de fevereiro.

As empresas com menos de 100 trabalhadores pagarão abono em 15 de dezembro de 15,73% do salário nominal até teto de R$ 2.600,00. Salários superiores, abono de R$ 409,00.

Os pisos terão duas faixas com reajuste médio de 29,2% e ficam assim: empresas com até 100 funcionários, R$ 451,00. Empresas com mais de 100, R$ 600,00.

O auxílio creche será concedido para filhos até 12 meses.

A convenção incorpora a convenção coletiva que estabelece medidas de segurança e de condições de trabalho em prensas.

As cláusulas sociais foram renovadas por dois anos e no próximo ano a data-base será em setembro.

>> Grupo 9 – máquinas e eletroeletrônicos

Empresas com mais de 100 trabalhadores, 17% em parcela única a partir de 1º de novembro até teto de R$ 2.580,00. Acima, valor fixo de R$ 438,60.

Empresas com menos de 100 trabalhadores, 17% em duas parcelas, sendo 11% a partir de 1º de novembro e 5,4% a partir de 1º de janeiro até teto de R$ 2.580,00. Acima, valor fixo de R$ 283,80 a partir de 1º de novembro e R$ 154,80 a partir de 1º de janeiro.

As empresas com menos de 100 trabalhadores pagarão abono de 17% do salário nominal em 15 de dezembro para quem ganha até R$ 2.580,00. Acima deste valor, o abono será de R$ 438,60.

O piso salarial tem reajuste médio de 18,6%: empresas com até 50 funcionários, R$ 462,00. Empresas de 51 a 500 funcionários, R$ 500,00. Empresas com mais de 500 funcionários, R$ 570,00.

O auxílio-creche passa a ser concedido a filhos com até 12 meses, de 20% a 30% do menor piso.

O trabalhador em turno de revezamento que entrar numa faculdade será garantido o trabalho em turno fixo, em horário compatível com o da escola.

A tolerância para bater cartão sem considerar hora-extra terá acréscimo de 15 minutos antes e depois da jornada.

As cláusulas sociais foram renovadas por dois anos e a mudança da data-base para setembro será discutida no próximo ano.

>> Montadoras

Reajuste salarial de 18,01% a partir de 1º de novembro com teto entre R$ 5.000,00 e R$ 5.200,00. Acima disso valor fixo de R$ 900,50 a R$ 936,00.

Abono a ser pago em novembro entre R$ 400,00 a R$ 600,00.

A convenção coletiva foi renovada por dois anos.

A data-base neste ano muda para outubro e, no próximo ano fica em setembro, com a garantia de reposição integral do INPC, menos para a Volks, em negociação.

>> Grupo 10 – estamparia, trefilação, lâmpadas

Empresas com mais de 100 trabalhadores, 16,16% em parcela única a partir de 1º de novembro até teto de R$ 2.600,00. Acima, valor fixo de R$ 420,00.

Empresas com menos de 100 trabalhadores, 16,16% em duas parcelas, sendo 11% a partir de 1º de novembro e 4,65% a partir de 1º de janeiro, até teto de R$ 2.600,00. Acima, valor fixo de R$ 286,00 a partir de 1º de novembro e R$ 134,00 a partir de 1º de janeiro.

As empresas com menos de 100 trabalhadores pagarão abono de 14% do salário nominal em 15 de dezembro para quem ganha até R$ 2.600,00. Acima deste valor, o abono será de R$ 364,00.

Os pisos serão