Após decidir unificar produção, Honda abre programa de demissões

Em meio à crise da falta de componentes eletrônicos para a produção de veículos, a Honda decidiu abrir um programa de demissão voluntária (PDV) nas fábricas de Sumaré e Itirapina, ambas no interior de São Paulo. Juntas elas empregam cerca de 3 mil funcionários. A Honda alega que, além do cenário de incertezas, vai concluir, em dezembro, a transferência de toda a produção de automóveis da unidade de Sumaré para a de Itirapina, processo iniciado em 2019.

A Honda informou que, no momento, não trabalha com uma meta de adesão ao PDV. “O foco é atender os colaboradores que têm enfrentado dificuldades para a transferência ou não se adaptaram à região de Itirapina (um grupo já havia sido transferido para a outra fábrica nos últimos meses)”, disse.

A empresa oferece 12 salários extras para quem aderir, valor referente a 12 meses de plano de saúde, cartão vale alimentação de R$ 250 ao mês por seis meses e três meses de orientação profissional assistida. “A empresa não tem necessidade de fazer o PDV”, afirma Sidelino Orsi Junior, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região. “A empresa está aproveitando para fazer uma reestruturação para reduzir salários, pois a média salarial em Sumaré é de R$ 5 mil, enquanto em Itirapina é muito menos”, diz.

A entidade é contrária ao PDV e realiza nesta quinta, 14, às 5h10, assembleia com os trabalhadores da unidade de Sumaré. Nesta sexta, 15, será a assembleia em Itirapina, comandada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Limeira e Região. Em nota, a Honda diz que vem reestruturando suas atividades produtivas desde 2019, com o objetivo de aumentar a competitividade e a sustentabilidade da operação no longo prazo.

Do O Estado de São Paulo