Câncer de prostata e exposição profissional

Ainda no espírito da campanha do Novembro Azul, a coluna de hoje traz novas informações sobre o câncer de próstata.

Em primeiro lugar cabe reafirmar que o câncer de próstata é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Porém, não podemos negligenciar a realização dos exames diagnósticos como o toque retal e o PSA, já a partir dos 40 anos.

Foto: Divulgação

Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e, em alguns casos podem levar à morte. Entretanto, a maioria cresce de forma bastante lenta, podendo demorar uns 15 anos para atingir 1 cm³, e, às vezes, devido a esse crescimento lento, não chegam a dar sinais ou causar manifestações que ameacem a vida do homem.

Trabalhadores mais expostos são os que trabalham nos processos de fundição de metais não ferrosos; na indústria de eletrônicos; na fabricação de vidros; na produção e aplicação de agrotóxicos, e aplicação do inseticida “malation” (produto utilizado no controle de moscas e mosquito da dengue e no tratamento de superfícies). Também estão expostos os que   trabalham na produção de cádmio e na produção de baterias; pilhas; peças automotivas; semicondutores e eletrodos, entre outras atividades. 

Como comentamos semana passada, esses casos poderiam ser evitados com a eliminação dos principais agentes cancerígenos utilizados nos processos de trabalho.

Na próxima edição comentaremos como é feito o tratamento do câncer de próstata.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected] 

Departamento de Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente