CNM/CUT convoca sindicalistas para Plenária Nacional de Mulheres Metalúrgicas

Com o nome “O tempo das mulheres não cabe no relógio do capital”, atividade das mulheres terá a presença da secretária da Mulher Trabalhadora da CUT e da membro do Sempreviva Organização Feminista (SOF)

Metalúrgicas de todo país estão sendo convocadas pela Secretaria da Mulher da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT) para participar da Plenária Nacional das Mulheres que acontecerá no dia 27 de fevereiro, no formato online. As inscrições poderão ser feitas pelo e-mail: [email protected]

A plenária “O tempo das mulheres não cabe no relógio do capital” acontece antecedendo a Plenária Nacional das Mulheres da CUT, que acontece no segundo semestre do ano, e tem como objetivo construir ações de resistência para romper este atual quadro de destruição dos direitos trabalhistas, sociais e das políticas públicas, em especial das mulheres.

Para a secretária da Mulher na CNM/CUT, Marli Melo, esta atividade vai discutir a desigualdade que vive a mulher na vida e no trabalho e a responsabilidade do movimento sindical para minimizar os impactos desta realidade para elas. Segundo ela, a atividade vai discutir como resistir e mudar a realidade das mulheres para elas viverem um mundo melhor e mais justo.

“Se em algum momento a gente puder parar e colocar a nossa rotina em um relógio nós vamos ver que o que a gente tem é sobrecarga, principalmente na pandemia. Muitas vezes as mulheres têm que priorizar qual é a tarefa doméstica que vai fazer antes de ir para seu trabalho na empresa, porque muitas vezes os companheiros não contribuem na divisão sexual do trabalho”, afirmou Marli.

Ela também ressalta que “o movimento sindical tem responsabilidade na transformação desta realidade e vamos discutir entre nós como podemos, juntos com as outras mulheres, atuar para melhorar a vida de cada mulher trabalhadora. Nós já sabemos que nós somos as mais escolarizadas e assumimos cargos com menor relevância nas empresas e não podemos permitir que esta desigualdade se perpetue. Esse é o nosso papel enquanto dirigente sindical”.

As debatedoras da Plenária Nacional das Mulheres Metalúrgicas serão a secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Juneia Batista, e a engenheira agrônoma, mestre pelo Programa de Estudos da Integração Latino-Americana (PROLAM-USP), integrante da equipe Sempreviva Organização Feminista (SOF) e militante da Marcha Mundial das Mulheres (MMM), Miriam Nobre.

Da CNM/CUT