Comissão critica as políticas atuais e alerta sobre o risco de desmonte dos direitos

A Comissão de Metalúrgicos do ABC com Deficiência defende com veemência a Lei Brasileira de Inclusão – Estatuto da Pessoa com Deficiência, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em 2015, e a Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, no governo Lula e denunciam os retrocessos no governo Temer.

O ex-coordenador da Comissão e ex-presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Conade, Flávio Henrique de Souza, ressaltou que todos os retrocessos com a reforma Trabalhista e a PEC da Morte afetam diretamente as pessoas com deficiência.

“Só foi possível avançar na política de inclusão em governos comprometidos de fato com os direitos humanos. A aposentadoria especial também foi uma conquista ao reduzir o tempo de contribuição em até dez anos de acordo com o grau de deficiência. Temos que estar atentos e evitar retrocessos”, afirmou.

O coordenador da Comissão, Sebastião Ismael de Sousa, o Cabelo, lembrou que a Terceirização irrestrita é um ataque à lei de cotas. “Uma empresa pode terceirizar a atividade fim e contratar várias outras, assim uma empresa com 10 mil trabalhadores, que teria que ter 5% dos trabalhadores com deficiência, 500, vai dividindo as contratações e não atingirá esse percentual”.

Fotos: Adonis Guerra

O secretário de Formação da CNM-CUT, José Roberto Nogueira da Silva, o Bigodinho, destacou a preocupação com as vagas de trabalho após a chegada da tecnologia e da indústria 4.0. “É importante ter uma visão de futuro, se preocupar com os postos de trabalho que serão preenchidos nos próximos anos. Se já era difícil incluir, ficará muito mais. É preciso uma educação inclusiva que prepare esse trabalhador para o novo mercado”. 

ABEA

A Associação Brasileira de Emprego Apoiado, ABEA, que funciona ao lado do Sindicato, das 8h às 14h, realiza constantemente o cadastramento de pessoas com deficiência. Entre em contato: 4127- 3244.

 

Da Redação.