CUT e demais centrais sindicais decidem realizar 1º de maio unificado pela liberdade de Lula

Foto: Gibran Mendes/CUT

A CUT e as centrais sindi­cais, CSB, CTB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT, farão o 1º de Maio Unificado em Curitiba, no Paraná, pedindo a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista coletiva em frente à sede da Polícia Federal da cidade paranaense, na ma­nhã de ontem, representantes das centrais denunciaram a condição de Lula como preso político, já que foi condenado sem provas e teve o direito negado de recorrer da sentença em liberdade, como forma de impedir que seja candidato à presidência da República nas eleições de 2018.

“É em nome do sindicalismo e dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, da democracia e para o Brasil voltar a ter cresci­mento econômico, que o 1º de Maio terá no mesmo palanque todas as centrais sindicais jun­tas, com as mesmas bandeiras de luta”, explicou o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Segundo ele, quando Lula foi presidente da República as categorias que as centrais repre­sentam obtiveram aumento real de salário, além dos empregos não terem sido sucateados e nem tão pouco as empresas públicas vendidas a preço de banana.

“Se estamos aqui anuncian­do essa agenda unificada, é porque a vida do trabalhador e da trabalhadora era muito melhor com Lula”, disse.

“Todos os dirigentes que estão aqui são defensores da classe trabalhadora, da CLT, das condições de trabalho e sabem da importância de ter uma legislação sindical que proteja o trabalhador contra a ganância do patrão”, continuou o presidente da CUT.

Para Freitas é interesse do trabalhador que Lula possa concorrer às eleições.

“A classe trabalhadora deve ter o direito de escolher como alternativa para presidir o Brasil um ex-presidente que respeitou os trabalhadores e trabalha­doras, adotou a política de valorização do salário mínimo, resgatou milhões de pessoas da pobreza e ajudou a aumentar o poder de compra da população mais pobre, tudo para melhorar a qualidade de vida dos tra­balhadores. É esse o principal entendimento das centrais”, completou.

 METALÚRGICOS DO ABC EM DEFESA DA DEMOCRACIA

Foto: CUT-PR

O presidente do Sindicato, Wagner Santana, o Wagnão, este­ve ontem no acampamento Lula Livre, em Curitiba; conversou com companheiros de todo o Brasil, que estão desde o dia 7 de abril na cidade e conheceu uma companheira muito especial, a Tia Zélia, cozinheira e amiga pessoal do ex-presidente Lula.

“Ela foi até o acampamento e cozinhou para o pessoal em solidariedade àqueles que defendem a nossa maior liderança. São atitudes como a dela que fazem a gente acreditar e continuar a luta”, afirmou o presidente, acompanhado do vice-presidente do Partidos dos Trabalhadores, Márcio Macedo.

Da Redação.