Desemprego: Queda de 4,8% em São Paulo

Tudo indica que a pior parte da herança maldita deixada pelo Plano Real, de FHC, começa a ser superada. Pesquisa realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, divulgada ontem, mostra que a taxa de desemprego caiu 4,8% em um mês na Grande São Paulo e passou de 20,7% da População Economicamente Ativa – PEA, em abril para 19,7% em maio.

A diminuição do desemprego foi ainda maior no ABC e atingiu 9% da PEA, caindo de 20,3% em abril para 18,5% em maio.

>> Recuperação

No mês passado foram criados 157 mil vagas. Foi a maior geração de empregos para um único mês desde 1985, quando a pesquisa da Fundação Seade-Dieese começou a ser feita.

O volume de vagas criadas em maio superou o número de pes-soas que passaram a procurar emprego no mês passado (73 mil), o que reduziu em 84 mil o total de desempregados na região. Foi a maior redução ocorrida em um mês de maio em São Paulo desde 1990.

“Desde o mês passado esta-mos registrando uma criação intensa de postos de trabalho. Aparentemente a recuperação da economia já começa a se refletir de forma positiva na taxa de desemprego”, disse o diretor de pesquisas da Fundação Seade, Sinésio Pires Ferreira.

>> Redução

O aumento do nível de ocupação ocorreu em todos os setores de atividade: indústria, 54 mil; serviços, 51 mil; comércio, 42 mil; e outros setores, 10 mil. Mesmo assim, existem ainda 1.960.000 trabalhadores sem serviço na região (leia coluna ao lado). Em relação a maio de 2003, o desemprego diminuiu 4,4%, o que representa uma redução de 45 mil pessoas.

>> Boa notícia

Mais uma boa notícia é que 71 mil dos postos de trabalho criados foram com carteira assinada e 61 mil sem carteira, além de diminuir em 6 mil a quantidade de trabalhadores autônomos.

Por outro lado, a hora extra aumentou já que a jornada média semanal de trabalho cresceu de 43 para 44 horas entre abril e maio, assim como aumentou a proporção dos que trabalharam mais do que 44 horas na semana. Esse movimento foi verificado em todos os setores de atividade: indústria, comércio e serviços.