Diminui a desigualdade racial no mercado do trabalho

O motivo é que pioraram as condições de trabalho para todos

A desigualdade entre negros e não-negros no mercado de trabalho está diminuindo, segundo pesquisa do Dieese divulgada ontem.

Essa redução da desigualdade racial é, no entanto, resultado de uma crise nas condições gerais de emprego entre 1998 e 2004, período analisado, segundo o coordenador da pesquisa, Antônio Ibarra.

Ou seja, os indicadores de emprego, jornada e renda pioraram para todos os trabalhadores no período.

“A desigualdade do negro em relação ao não-negro diminuiu porque o mercado de trabalho foi pouco gratificante para todo mundo, em especial para o não-negro”, disse Ibarra. 

Participação

De acordo com a pesquisa, cresceu a participação dos negros no mercado de trabalho, seja empregado ou procurando emprego.

O maior crescimento foi registrado em Belo Horizonte e Porto Alegre, cujas taxas passaram, respectivamente, de 58,5% para 61,5%, e de 56% para 58,3%.

Apesar de serem maioria entre a População em Idade Ativa, ou seja, com 10 anos ou mais, a pesquisa revela que a taxa de desemprego entre os negros, em 2004, nas seis regiões metropolitanas pesquisadas (Belo Horizonte, Distrito Federal, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo), continua maior que a entre os não-negros, variando da maior taxa em Salvador (26,9%) ao menor índice em Belo Horizonte (21,9%).

Já entre os não-negros as taxas de desemprego ficaram em 18,4% e 17,2% nas cidades de Salvador e Belo Horizonte.

Marcha levará reivindicações a Lula

Entidades do movimento negro, sindicatos e centrais sindicais entregam amanhã ao presidente Lula a resoluções da Conferência de Durban. Trata-se de um relatório com as resoluções da conferência que aconteceu há três anos na África do Sul para debater o racismo no mundo. Nele, reivindicam a implantação de políticas afirmativas, cotas, reparações etc.

Antes do encontro com o presidente tem a 4º Marcha da Consciência Negra, que ocorrerá a partir das 14h, do Masp, na Av. Paulista até a praça da Paz no Ibirapuera, onde haverá o encontro com o presidente Lula.

Saída para a Marcha da Sede

Os companheiros e companheiras que quiserem participar da Marcha poderão se encontrar ao meio dia de amanhã na Sede do Sindicato, em São Bernardo.

De lá partem para Praça Oswaldo Cruz (início da Av. Paulista) onde haverá concentração do movimento sindical.

De lá sairá caminhada até o Masp, local de início da Marcha, às 14h.

Veja as cidades onde será feriado

O Dia da Consciência Negra será feriado nas cidades de Santo André, Ribeirão Pires e São Paulo. Em outras 15 cidades brasileiras também é feriado. Uma das reivindicações que será entregue a Lula é que a data seja feriado nacional.

O 20 de novembro foi instituído como alternativa ao 13 de maio, dia da abolição da escravatura.

A data é uma homenagem a Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares que abrigou, por 60 anos, mais de 20 mil escravos fugidos, sendo o maior grupo e o mais longo período de resistência à escravidão.