Fortalecer o sindicalismo: do local ao global

O fortalecimento da ação sindical no plano internacional tem sido um dos principais desafios do sindicalismo em todo o mundo desde o processo de intensificação da globalização econômica nos anos 1990. Nesse sentido, foram fortalecidas as federações sindicais internacionais, transformadas em sindicatos globais.

Foto: divulgação

O IndustriALL, criado em junho de 2012, é resultado da fusão da Federação Internacional dos Metalúrgicos (FITIM), Federação Internacional dos Sindicatos dos Produtos Químicos, Energia, Minas e Trabalhadores em Geral (ICEM) e a Federação Internacional de Trabalhadores Têxteis, do Vestuário e  do Couro (ITGLWF), formando o maior Sindicato Global da Indústria, que representa mais de 50 milhões de trabalhadores em 140 países.

O IndustriALL tem liderado várias campanhas contra prática antissindicais e violação de direitos humanos. Além dessas campanhas, tem feito um importante trabalho firmando Acordos Marco-Globais (AMG) com as matrizes de empresas multinacionais. Os AMGs são compromissos assumidos pelas empresas de respeitar os direitos fundamentais do trabalho estabelecidos pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Na maioria desses acordos, os compromissos são extensivos aos fornecedores.

Porém, para que os 48 AMGs assinados pelo IndustriALL sejam efetivamente aplicados em todos os lugares onde as empresas estejam instaladas, é preciso que os sindicatos no plano local também estejam organizados para fazer valer esses compromissos nos seus respectivos locais de trabalho. A criação de Redes Internacionais e de Comitês Sindicais Mundiais de Empresas tem sido um passo importante para a troca de experiências entre trabalhadores de diferentes plantas de uma mesma empresa.  

Nesse momento em que vivemos ataques aos direitos trabalhistas no plano nacional e internacional, agravado pelo quadro de pandemia, além de outros desafios como a Quarta Revolução Industrial, o desemprego estrutural e a uberização do trabalho, precisamos construir pontes entre os sindicatos em todo o mundo para desafios que exigem respostas globais articuladas com ações nacionais e regionais.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Departamento de Formação