Grito dos Excluídos: 1,5 milhão reunidos em 1.800 atos

A 10ª edição do Grito dos Excluídos reuniu cerca de 12 mil pessoas na última terça-feira em frente à Basílica Nacional de Aparecida, no Estado de São Paulo. A eles se juntaram os mais de 100 mil companheiros sem-terra e sem teto, que participaram da 17ª Romaria dos Trabalhadores.

Juntos realizaram uma imensa manifestação da campanha – que acontece tradicionalmente todo 7 de setembro – e que este ano teve como tema Brasil: mudança para valer, o povo faz acontecer. “Independência é ter terra para trabalhar, posto de saúde para ser atendido, escola, moradia e uma política pensada para atender o povo brasileiro”, disse o coordenador nacional do Grito dos Excluídos, Ari Alberti.

Segundo ele, foram realizados 1.800 atos em todo o Brasil, envolvendo 1,5 milhão de pessoas entre sindicalistas, religiosos e representantes de diversos movimentos sociais, como grupos de luta por moradia, portadores de deficiência física, indígenas, mulheres, moradores de rua, além de pastorais sociais e centrais sindicais.

As manifestações na cidade paulista coincidiram com o início das comemorações do 100º aniversário da coroação da imagem de Nossa Senhora de Aparecida como rainha do Brasil.

O decreto foi assinado pelo papa Pio X, em 1904, atendendo pedido encaminhado por bispos católicos brasileiros. As festividades prosseguiam ontem no município.