Isolamento social: amargo, mas necessário

Foto: Divulgação

As medidas de distanciamento e isolamento social foram adotadas para controle da velocidade de transmissão da covid-19 visando impedir que o número de casos não cresça a ponto de levar o sistema de saúde ao colapso. Com isso, nosso dia-a-dia passou a ser diferente. Não ter horário para acordar e ir trabalhar; não sair de casa para encontrar amigas e amigos; não participar de encontros e reuniões e a maior permanência em casa incomodam.

Essas mudanças, somadas às preocupações com a possibilidade de contrair a doença, impactam as pessoas de maneira significativa. Os sentimentos podem se intensificar e alterar o nosso bem estar intelectual e mental. “A gente acha que vai pirar. Não consigo assistir à TV. Quero sair de casa e não posso. Sinto medo”. Diante dessas constatações, cabe perguntar: Quais os efeitos psicológicos frente à quarentena?

Brooks e cols. (2020) realizaram uma revisão sistemática sobre o assunto incluindo estudos relacionados a surtos ou epidemias entre 2004 e 2019. A maioria dos estudos indica efeitos psicológicos negativos como sintomas de estresse pós-traumático; sintomas depressivos; tristeza; abuso de substância; estado confusional e irritabilidade. Além desses, o próprio estado de quarentena, modificações de rotinas, limitação da mobilidade, duração prolongada da quarentena, medo de infecções, frustração, tédio, suprimentos inadequados, informação limitada, e perdas financeiras, contribuem para alterações da saúde mental. Cuide-se.

Siga algumas orientações:

• Priorize a obtenção de material doméstico, alimento e medicação por telefone, sites, aplicativos e serviços de entrega;

• Mantenha relacionamentos com pessoas de confiança por telefone, mensagens, vídeochamadas ou on-line;

• Faça refeições saudáveis e equilibradas;

• Pratique algum exercício físico (de curta duração, mas regularmente);

• Evitar fumar, usar drogas e consumir muito álcool;

• Se necessário, busque apoio;

• Faça relaxamento para lidar com a ansiedade;

• Leia, escreva, desenhe, pinte, jogue, faça palavras cruzadas, quebra-cabeças, entre outras.

“TAMO JUNTO”

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Departamento de Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente