Nordeste ganhará ônibus a hidrogênio verde; Fortaleza será a 1ª cidade

Objetivo é que veículos cheguem a 70 municípios, atendendo 37 milhões de pessoas

Na segunda-feira, 20 de setembro, o governador do Ceará, Camilo Santana, assinou contrato com a Neoenergia, empresa controlada pelo grupo espanhol Iberdola, para a implementação de ônibus movidos a hidrogênio verde no Estado. O hidrogênio verde é um combustível feito a partir da eletrólise da água (processo que consome eletricidade).

Embora seja considerado verde, ele é polêmico porque sua sustentabilidade depende de a eletricidade usada também ser proveniente de fontes renováveis. O gás resultante do processo químico pode ser usado da mesma forma que o gás natural, seja como combustível de carros ou para processos industriais. Apesar da versatilidade, ele ainda é caro para produzir.

Fortaleza deve ser a primeira cidade a receber os ônibus “fuel cell” do projeto, que foi batizado de Corredor Verde. Além dos veículos, também serão criados 18 pontos de abastecimento de hidrogênio. A ideia é que esses ônibus cheguem a 70 municípios do Nordeste, entre os quais seis capitais, atendendo 37 milhões de pessoas.

Em fevereiro deste ano, o governo do Ceará já havia criado o Hub de Hidrogênio Verde no Estado, numa ação em parceria com Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Universidade Federal do Ceará (UFC) e Complexo do Pecém (CIPP S/A). Empresas privadas também assinaram acordos de cooperação para instalar fábricas de hidrogênio verde na região. Além de diminuir as emissões de gases causadores do efeito estufa, o projeto também pretende gerar empregos na região.

Do Automotive Business