Protestos começam na segunda

Os metalúrgicos das empresas de Fundição e grupos 9 e 10 podem iniciar uma série de movimentos e protestos a partir de segunda-feira caso os patrões não comecem as negociações.

“Eles não reconhecem a mudança da nossa data-base para setembro e só querem negociar em novembro. É um desafio e nós não vamos fugir da luta”, avisou Adi dos Santos Lima, presidente da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT (FEM-CUT).

Ele disse que a maior parte das empresas desses grupos está no interior do Estado, nas regiões de Araraquara, Sorocaba, Itu, Matão e Pindamonhangaba. “Os protestos serão intensificados à medida que não estivermos sendo ouvidos pelos grupos patronais”,afirmou Adi. 

Montadoras e autopeças
Se com esses grupos a negociação não sai, com as auto-peças e montadoras a história é diferente. Depois de duas rodadas de negociações, Adi disse que a sensação é que elas não querem briga.

“Tudo indica que o aumento da produção e o clima de crescimento vão favorecer um acordo”, acredita.

A FEM quer concluir as negociações até o final do mês, para que o reajuste salarial seja aplicado no salário de setembro. “Esse é o mês da nossa data-base”, concluiu Adi.