Setembro amarelo e a Covid-19

Foto: Divulgação

As doenças do coração mataram, em 2019, 116 mil pessoas. 83 mil morreram de doenças respiratórias e quase 30 mil foram a óbito por cânceres de pulmão, brônquios e traquéia.

A Covid-19 matou, até o momento, mais de 133 mil brasileiros, o que corresponde a uma taxa de letalidade de 0,6%, em relação ao total de casos confirmados. Taxa muito alta quando pensamos em respeitar e preservar vidas. O país não atuou bem no enfrentamento à Covid-19, classificada como doença evitável.

Nesse contexto, necessário estarmos atentos para o aparecimento de alguns possíveis efeitos da pandemia da Covid-19, como o suicídio decorrente ou motivado pela depressão, objeto da campanha Setembro Amarelo.

O medo do coronavírus e as dificuldades financeiras causadas pela pandemia podem gerar depressão. Observe, também, comportamentos como isolamento, impulsividade, tristeza constante, dificuldade de relacionamento, insegurança e adoção de comportamentos de risco, como a automutilação, entre outros.

Devemos prestar atenção ao aumento do consumo de álcool, às mudanças de hábitos diários e ao eventual consumo de drogas. Observe se há lesões pelo corpo que não cicatrizam, cortes ou arranhões, queimaduras, feridas nos pés, que surgem sem explicação. Mas atenção, muitas vezes essas lesões ficam em locais escondidos, nem sempre são nos braços ou pernas.

Essas alterações de comportamento precisam ser tratadas com médico psiquiatra e terapia, sob o risco de que, se não forem tratadas, possam levar ao suicídio.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Departamento de Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente