Setor metalúrgico volta a empregar

No último ano e meio foram criados 163 mil novos empregos nos setores
metalúrgicos em todo Brasil. É um crescimento de 12,5% em relação a janeiro do
ano passado, segundo a subseção Dieese da Confederação Nacional dos Metalúrgicos
da CUT (CNM-CUT).

É pouco perto do desastre provocado entre 1987 e 2000,
quando a categoria perdeu 1,5 milhão de empregos. Em 87, a categoria tinha 2,8
milhões de trabalhadores.

A maior parte das vagas foi extinta nos anos
90, quando o Brasil iniciou a política de abertura aos importados. Entretanto,
hoje mudou e a perspectiva é que o ritmo de abertura de vagas
prossiga.

Valter Sanches, diretor do Sindicato e da CNM, explica que
políticas direcionadas, ampliação das linhas de financiamento, incentivo à
exportação, entre outras medidas do governo federal, é que possibilitaram a
retomada da produção e aumento do emprego.

Ele cita o exemplo do setor
naval, completamente abandonado no governo anterior e que em 18 meses conseguiu
dobrar o número de empregos.

“De um setor quase fechado por causa das
importações, hoje conta com perto de 45 mil trabalhadores”, contabiliza Sanches.

Outro setor que retomou a produção nacional foi o de bens de capital
(máquinas e equipamentos). Atualmente emprega 201 mil trabalhadores, 30% a mais
que em janeiro do ano passado.

Onde trabalham mais
metalúrgicos:

Setor Emprego Crescimento*
Automotivo 96.816 9,4 %
Autopeças 178.900 9,0 %
Siderúrgicos 58.428 6,6 %
Bens de capital 200.774 8,2 %
Fundição 53.224 10,0 %
Alumínio 46.178 4,3 %
Aeroespacial 16.488 16,4 %
Eletroeletrônico 127.800 10,0 %

* Crescimento do emprego em 2004