Sob pressão, Renault para produção na Rússia e reavalia parceria

A empresa está suspendendo suas operações em sua unidade de produção de Moscou

A Renault está se preparando para possível saída da Rússia, em meio às pressões crescentes que a montadora francesa enfrenta para que deixe de operar no país devido à invasão da Ucrânia. A empresa está suspendendo suas operações em sua unidade de produção de Moscou, segundo disse ontem, e estuda o que fazer com a joint-venture russa de longa data chamada Avto Vaz.

Em resposta à retirada de seu segundo maior mercado, a Renault revisou para baixo as perspectivas financeiras para 2022, tanto no que se refere à margem de lucro quanto a ao fluxo de caixa livre. Prevê agora estreitamento da margem operacional para cerca de 3% neste ano, a partir de prognóstico de pelo menos 4%, disse a montadora.

O fluxo de caixa livre da operação automotiva será “positivo”, e não mais de pelo menos € 1 bilhão (US$ 1,1 bilhão) como estimava antes. A Bloomberg informou anteriormente que a montadora estava examinando alternativas para sua atuação na Rússia.

A Renault foi uma das últimas grandes empresas europeias que continuaram a produzir na Rússia, após a Nestlé ter dito ontem, algumas horas antes, que fechará a maior parte de sua produção no país. A montadora tem laços significativos no país por meio de sua participação majoritária na Avto Vaz, a fabricante de veículos Lada que remonta à era soviética.

Do Valor Econômico