Stellantis pode deixar de produzir veículos na China

Grupo avalia encerrar fabricação de modelos de todas as suas marcas no país asiático, assim como já fez com a Jeep

No início de agosto, a Jeep anunciou que fecharia sua fábrica na China e deixaria de fazer por lá Renegade e Compass. Agora, a Stellantis, dona da marca, avalia interromper a produção dos modelos de todos as suas demais marcas no país asiático. Segundo a agência Reuters, o grupo estuda uma possível debandada da China por causa da dificuldade que fabricantes estrangeiras têm para enfrentar montadoras locais. Há um desafio constante para manter uma posição sólida no mercado.

Além do embate com os players domésticos, a Stellantis vê na escalada das tensões geopolíticas um empecilho para continuar a produzir na China. Portanto, avalia adotar naquele país estratégia asset-light, ou seja, trabalhar com o mínimo de ativos possível. Segundo Carlos Tavares, CEO da Stellantis, o movimento rumo ao asset-light na China inviabilizaria a manutenção de fábricas do grupo no país.

O executivo frisou ainda, em conversa com a imprensa durante o Salão de Paris, que a empresa poderia passar a importar veículos feitos na Europa para a região. A adoção de nova estratégia por parte da Stellantis se dá em momento difícil para montadoras estrangeiras no país asiático. Volkswagen, General Motors e o grupo liderado por Carlos Tavares sofrem com a rápida modernização e eletrificação dos portfólios das gigantes locais, como BYD e Geely.

Para completar, as empresas se mostram preocupadas com os possíveis entraves geopolíticos que a China pode enfrentar. Assim como a Rússia vem tendo relações cortadas por conta do conflito com a Ucrânia, o país asiático também poderia receber uma bela lista de sanções, caso haja uma escalada da situação que envolve Taiwan.

Do Automotive Business