Trabalhadores na Aperam, Toledo e Evacon estão mobilizados para Campanha Salarial

Assembleias em São Bernardo, Diadema e Ribeirão Pires alertaram a companheirada sobre importância da unidade para avançar

As assembleias de Campanha Salarial, feitas pelo Sindicato em diversas empresas da base, estão mobilizando os trabalhadores e as trabalhadoras e alertando sobre a necessidade de disposição de luta por reposição da inflação, aumento real e garantia das cláusulas sociais. Na manhã de ontem, a assembleia foi na Toledo, em São Bernardo. Na sexta-feira, 2, na Aperam, em Ribeirão Pires, e na Evacon, em Diadema.

Foto: Adonis Guerra

O coordenador de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, Marcos Paulo Lourenço, o Marquinhos, destacou que este é um momento muito complicado da Campanha Salarial.

“Não achamos que os patrões viriam dessa forma para o enfrentamento oferecendo parcelamento do reajuste e querendo tirar cláusula social. Não vamos aceitar provocação nem vamos aceitar que retirem direitos que estão contidos na Convenção Coletiva. Vamos precisar de todos os trabalhadores e trabalhadoras, mostrando a força do Sindicato e as lutas que fizemos para conquistar a Convenção Coletiva”.

Foto: Adonis Guerra

O CSE na Aperam, Mauricelio Bezerra da Silva, o Célio, enfatizou a importância da união dos trabalhadores. “Essa mobilização mostra que realmente estamos unidos para alcançar nosso objetivo, a reposição salarial, aumento real e manutenção dos nossos direitos”.

Foto: Adonis Guerra

Na Evacon, o coordenador de área da Regional Diadema, Gilberto da Rocha, o Amendoim, ressaltou a necessidade de aumentar a mobilização.

“É hora de estarmos todos juntos e mobilizados no mesmo sentido de pressionar os patrões para conquistar nosso reajuste, repor as perdas que tivemos com a inflação tão alta e manter nossos direitos”.

Foto: Adonis Guerra

Na Toledo, o coordenador de São Bernardo Genildo Dias Pereira, o Gaúcho, deu o recado. “Estamos em negociação da data-base, protocolamos a pauta em junho, tivemos reunião com todos os grupos patronais e em todos eles encontramos choradeira. Quero deixar claro para vocês que o Grupo 2, do qual faz parte esta empresa, propôs o INPC em duas parcelas, o que para nós foi uma afronta e aí a importância de que a direção da Toledo tenha ciência disso. Ninguém vai conseguir avançar se não tiver unidade e mobilização da categoria”. 

Foto: Adonis Guerra

PLR

Na Toledo os trabalhadores aprovaram a proposta de PLR (Participação nos Lucros e Resultados) negociada pelo Sindicato com a direção da fábrica. A primeira parcela será paga em outubro deste ano e a segunda em abril do ano que vem.

Segundo o CSE Danilo Silva Brito, o acordo válido por cinco anos teve uma negociação bastante conturbada. “Foi complicado, mas com bastante esforço da Comissão, com o apoio do Sindicato, tivemos uma evolução significativa no valor”.