Trabalho e qualificação, juntos no Grande ABC

As crescentes transformações nas áreas da indústria, serviços e comércio sempre vêm acompanhadas de mudanças significativas no mundo do trabalho.

Foto: Adonis Guerra

Temas como a Indústria 4.0, que têm como eixos centrais a automação industrial e a inteligência artificial, quando somadas à transição automotiva para veículos elétricos, híbridos e autônomos, indicam movimentos que deverão demandar profissionais com competências diferentes daquelas que conhecemos hoje.

O jovem que está iniciando sua vida profissional, na área industrial principalmente, convive com um mundo de incertezas: onde estarão os empregos dos próximos anos? Que tipos de empregos serão ofertados?

O Grande ABC se projetou para o Brasil tendo como um de seus principais ativos a concentração de trabalhadores qualificados. Como no resto do país, a região vive um processo de desindustrialização que tem como efeito a precarização do trabalho e redução de renda.

Pensando o nosso território, mais do que nunca uma agenda de desenvolvimento regional que passe pela qualificação profissional precisa ser uma condição estratégica no enfrentamento dessa conjuntura.

Temos aqui as presenças do SENAI, em parceria com o Sindicato e a indústria, do SENAC junto aos setores de serviços e comércio, além das prefeituras da região, e do SENAT que atua no setor de transportes. Se bem articulados com a Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC nessa agenda estrutural, podem criar condições favoráveis de preservação e fortalecimento do Grande ABC como o mais importante polo industrial do país.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Subseção do Dieese