Trabalho Precário, problema de todos

O trabalho precário é um problema que afeta trabalhadores em todo o mundo. Por isso, a Federação Internacional dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas realiza a Semana de Ação Mundial contra o Trabalho Precário, que acontece entre os dias 3 e 10 de outubro de 2009

“Trabalho Precário, problema de todos” é uma campanha sindical mundial da FITIM para deter o aumento do emprego precário e reconquistar poder e justiça para a classe trabalhadora. Na página desta campanha, figuram enlaces para obter material da campanha, informação básica e detalhes sobre o que os sindicatos de todo o mundo estão fazendo para se mobilizar contra o trabalho precário.

Download: Baixe aqui a cartilha da FITIM sobre a Semana de Ação Mundial Contra o Trabalho Precário

A globalização não se limita à maneira de fazer, comprar e vender coisas, se trata também das pessoas. As empresas multinacionais desejam trabalhadores baratos e flexíveis. Por isso, passam-os do emprego seguro para o inseguro, fazendo todos os empregos mais “precários”.

O trabalho precário é ruim para todos os trabalhadores. Cria mão-de-obra barata que rebaixa os salários de todos. Aumenta a diferença entre ricos e pobres e amplia as práticas desleais que desfavorecem as mulheres, os trabalhadores jovens e os imigrantes.

O que os sindicatos negociam são bons empregos. Se mobilizam em todo o mundo, organizam e negociam por um trabalho melhor e mais seguro. Isso significs opor-se às artimanhas jurídicas e políticas que permitem que o trabalho precário prospere. E que é preciso mobilizar-se mundialmente e atuar contra o trabalho precário.

De A à Z: Ação contra o trabalho precário
Desde a Austrália até a Zâmbia, os afiliados da FITIM levarão a cabo ações em países de todo o mundo como parte da semana de Ação Mundial contra o Trabalho Precário, que começa neste sábado (3).

O impacto da crise financeira mundial sobre os trabalhadores precários é o tema da ação da FITIM neste ano. Os afiliados estão levando a luta aos governos, pedindo que a eles que garantam a igualdade de direitos dos trabalhadores em situação precária e reforcem a legislação para impedir que os empregadores utilizem o emprego precário no lugar do emprego permanente e direto.

Algumas das ações previstas são as seguintes:
– Protestos em grandes cidades da Austrália
– Esporte e jogos nacionais dos trabalhadores metalúrgicos na Bulgária
– Desenvolvimento do emprego precário como segunda demanda comum na Europa
– Seminário na Finlândia
– Mostra cinematográfica em Genebra (Suíça)
– Petição e ações na Alemanha
– Mobilizações na Hungria
– Manifestações massivas no sudeste asiático
– Ato de solidariedade na Turquia
– Piquetes e manifestações na Zâmbia

Em todas estas ações, serão distribuídos os folhetos e a cartilha da campanha mundial, com a mensagem unificada de pedir aos governos que:
– Restrinjam o trabalho temporários e por contrato aos casos de verdadeira necessidade,
– Garantam a igualdade de remuneração dos trabalhadores com emprego precário e seu direito à sindicalização
– Requeiram que os empregos temporários de larga duração se convertam em empregos permanentes

O crescimento massivo do emprego precário teve consequências sociais e econômicas negativas para as pessoas em todas as partes. Por isso, os trabalhadores de todo o mundo se unem contra o trabalho precário.

A FITIM pede que sejam enviadas fotografias sobre as ações que os sindicatos façam em apoio a campanha para: [email protected]

Da FITIM, com tradução de Valter Bittencourt, CNM CUT