Trabalho, sustentabilidade e desenvolvimento

A semana que passou foi marcada também pelo lançamento do relatório “O big push para a sustentabilidade e a dinâmica do emprego, trabalho e renda: o trabalho no contexto da transformação social e ecológica da economia brasileira”, elaborado pelo DIEESE em parceria com a Cepal e a Fundação Friedrich Ebert.

Foto: Divulgação

O termo big push, muito utilizado em iniciativas recentes sobre o desenvolvimento sustentável, se refere ao impulso, ou literalmente “empurrão”, e o relatório dialoga diretamente com o Objetivo 8 da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, que trata do “Trabalho Decente e Crescimento Econômico”.

O estudo tem como mote central o debate sobre as perspectivas de geração de trabalho e renda como desdobramento de investimentos orientados pelo conceito de sustentabilidade. A partir de alguns casos selecionados, o estudo apontou a existência de impactos potencialmente positivos, conectados também à lógica de desenvolvimento local e diversidade regional.

Redução do risco de acidentes, ênfase na qualificação e ampliação da renda, melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores e do acesso ao mercado de trabalho nos locais que recebem investimentos em sustentabilidade foram alguns dos resultados e impactos já visíveis em diferentes projetos. Como temas específicos abordados pelo relatório temos não apenas o mercado de trabalho, mas também a qualificação profissional, o desenvolvimento regional, a redução de desigualdades, os impactos para cadeias produtivas e tecnologias, e também a conexão do tema com políticas públicas em escala nacional, regional ou local.

No momento em que tanto necessitamos da criação de empregos, fica clara a urgência de avançarmos em políticas e iniciativas que unem sustentabilidade e trabalho como elementos norteadores para a retomada do desenvolvimento.

Para saber mais, visite www.dieese.org.br/outraspublicacoes/2021/relatorio_bgcg.html

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Subseção do Dieese